Efeito bola de neve: desde Weinstein, denúncias de assédio aumentaram

As acusações contra Harvey Weinstein abriram portas para que diversas vítimas de assédio em Hollywood denunciassem seus algozes. Só na última semana, sete novos nomes foram para a berlinda

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/11/2017 12:10 / atualizado em 21/11/2017 12:13

MARIO ANZUONI

Se as terras do cinema ficaram arrasadas após as denúncias de assédio contra o produtor Harvey Weinstein e o ator Kevin Spacey, um novo terremoto está abalando Los Angeles. Sete grandes nomes de Hollywood agora estão sendo postos na berlinda, tudo isso na última semana. Estrelas apostam em nova era para a indústria cinematográfica, com menos conivência em relação a abuso de gênero.
 
Confira alguns dos nomes denunciados: 
 
Louis C.K.
 
O comediante Louis C.K. - que tinha grandes projetos nos canais HBO, Netflix, FX e o lançamento de um filme programado para este mês – representava uma estrela em plena ascensão em Hollywood. Tudo foi cancelado após cinco mulheres, entre elas as também comediantes Dana Goodman e Julia Wolov, afirmarem ao jornal norte-americano The New York Times que C.K. costumava se masturbar na frente de jovens que estavam nos mesmo projetos de humor que ele.
 
O comediante se tornou o primeiro grande nome a se declarar culpado das acusações. Em pronunciamento oficial, C.K. afirmou: “Essas histórias são verdadeiras. Na ocasião, disse para mim mesmo que o que eu fiz era normal, porque eu nunca mostrei meu pênis para uma mulher sem ter perguntado antes, o que também é verdade. Mas o que aprendi depois na vida, tarde demais, é que quando você tem poder sobre outra pessoa, pedir para elas olharem para o seu pênis não é uma pergunta. É um constrangimento. O poder que eu tinha sobre essas mulheres é que elas me admiravam. E eu exerci esse poder de forma irresponsável”. 
 
Ed Westwick
 
Famoso por ter participado da série teen Gossip Girl, o ator Ed Westwick foi outro nome apontado como assediador. A atriz Kristina Cohen foi a seu Facebook apontar Westwick como algoz de um estupro. Poucos dias depois, a também atriz Aurélie Wynn foi outra que acusou o ator de estupro em 2014.
 
CHRIS DELMAS

 
Westwick estava trabalhando em duas produções, Ordeal by Innocence e White Gold, pelo canal estatal inglês BBC. A emissora paralisou as séries e, em comunicado, afirmou: “Estas são acusações sérias que Ed Westwick negou vigorosamente. A BBC não está fazendo nenhum julgamento, mas até que esses assuntos sejam resolvidos, não incluiremos Ordeal By Innocence na programação. A produtora que está fazendo White Gold nos informou que Westwick fez uma pausa nas filmagens enquanto lida com as alegações”.
 
Por meio de seu Instagram, o ator negou as acusações, afirmando ainda que as consequências estão sendo precipitadas. “É desanimador e triste para mim que, como resultado de duas alegações de mídias sociais não verificadas e provadamente falsas, há algumas pessoas neste ambiente que poderiam concluir que eu tive algo a ver com uma conduta tão vilanesca e horrível. Eu absolutamente não tenho nada a ver, e estou cooperando com as autoridades para que possam me inocentar o mais rápido possível”, escreveu.
 
Brett Ratner
 
Por trás das câmeras, o novo nome mais importante na lista de acusados é o do diretor Brett Ratner. Famoso por dirigir filmes como X-Men: O confronto final e A hora do rush, Ratner atualmente comanda a produtora RatPac-Dune, que ajuda na produção de grandes longas-metragens de Hollywood.
 
Acusado de assédio por seis mulheres, entre elas as atrizes Olivia Munn e Natasha Henstridge, e de homofobia pela atriz Ellen Page, o produtor agora terá de lidar com uma resposta de parte da classe artística de Hollywood. Gal Gadot, atriz responsável por interpretar a Mulher-Maravilha, se recusou a continuar o longa-metragem da heroína amazona caso os estúdios Warner, responsáveis pela produção, continuem sua parceria com a empresa de Ratner.
 
MARIO ANZUONI
 
 
“Brett fez muito dinheiro com Mulher-Maravilha [primeira produção], graças ao envolvimento da empresa dele no filme, agora Gadot está falando que não vai fazer a sequência caso Brett continue se beneficiando”, explicou uma fonte – que preferiu não se identificar – ao portal norte-americano Page Six. “Ela sabe que a única forma de atingir Brett é por meio do bolso, e ela também sabe que a Warner vai ficar do lado dela nisso, eles não podem ter um filme de empoderamento feminino com um homem acusado de assédio”, completou.
 
No fim da última semana, a atriz Gal Godot confirmou que o produtor deixou oficialmente a produção de Mulher-Maravilha 2, mas não confirmou que tenha sido por pressão dela.
 
Mark Schwahn
 
As acusações contra Mark Schwahn surpreendem pelo número de vítimas: 18 mulheres, participantes da produção One tree hill – uma das séries teens mais famosas da história da TV – fizeram uma carta pública para relatar o suposto assédio vivido pelas ações de Schwahn.
 
Sophia Bush e Hilarie Burton, as estrelas da produção, também assinaram a carta, que foi divulgada em 14 de novembro. “O comportamento de Schwahn durante as gravações de One tree hill [que durou de 2003 até 2012] era um ‘segredo aberto’. Muitas de nós, em vários níveis, foram manipuladas psicologicamente e emocionalmente. Muitas de nós foram colocadas em posições desconfortáveis e tivemos de aprender a lutar de volta, às vezes até fisicamente, porque estava claro que os supervisores da série não iriam nos proteger como deviam”, afirma trecho da carta.
 
Representantes de Schwahn não responderam aos questionamentos das mídias norte-americanas sobre o caso. Atualmente, o produtor está trabalhando na série The Royals, do canal E!, que, por meio de nota oficial, afirmou: “Nós estamos monitorando as acusações com muito cuidado, o E! está comprometido em prover um local de trabalho seguro para que todos os envolvidos possam ser tratados com respeito e profissionalismo”.
 
Além de Schwahn, Westwick, C.K. e Ratner, o produtor Andrew Kreisberg, da série Supergirl também foi acusado de assédio pela equipe da produção. O ator Steven Seagal foi acusado por tentativa de estupro pela atriz Portia de Rossi e por assédio pela também atriz Julianna Margulies. Criador e produtor da renomada série Mad Men, Matthew Weiner foi denunciado por assédio sexual pela roteirista da produção, Kater Gordon. E, após duas denúncias de assédio, o ator Jeffrey Tambor deixou a produção de Transparent, na Amazon.
 
* Estagiários sob supervisão de Vinicius Nader
 
 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.