Fotógrafo publica livro com imagens de mulheres famosas nuas para a Playboy

Bob Wolfenson é autor de várias publicações antigas e recebeu o aval de todas as fotografadas que aparecem na obra

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/12/2017 07:30 / atualizado em 08/12/2017 18:31

Bob Wolfenson/Reprodução
 
Em seu epitáfio, se houver um, o fotógrafo Bob Wolfenson, 63 anos de vida e 47 de carreira, espera que esteja escrito “ele transitou, andou muito”. Sempre presente, a fotografia pode ser de moda, retrato, arte, publicidade. Mas é inegável que o viés mais conhecido, “a persona pública”, como o próprio define, está relacionado aos nus. Foi no auge da revista Playboy que Wolfenson fotografou muitas das mulheres mais conhecidas (e desejadas) do Brasil.

Algumas dessas imagens estão presentes no livro Bob Wolfenson (Terra Virgem Edições). São 58 fotos (entre nus, retratos e ensaios femininos), imagens de 1976 até 2017. A seleção coube ao editor Roberto Linsker, com texto de abertura do escritor Reinaldo Moraes, amigo de Wolfenson desde o curso de ciências sociais na Universidade de São Paulo (USP), no início da década de 1970.
 
 
 “Esse é um livro histórico. Não sei se hoje em dia existe espaço para esse tipo de revista”
Bob Wolfenson , fotógrafo
 
 
 
Gisele Bündchen, Taís Araújo, Bruna Lombardi, Fernanda Torres, Juliana Paes, Rita Lee e Alessandra Negrini, entre muitas outras, povoam as páginas em imagens antigas (a de Brunet é dos anos 1980) e recentes (a de Taís é deste ano). Wolfenson é autor de várias publicações. Ele não participou da seleção de fotos do livro recém-lançado.

Sempre um Papo/Divulgação
“Quando o Linsker começou a seleção, a intenção não era fazer um livro de mulheres. Mas dada a vastidão do meu acervo (ele estima ter 10 mil imagens editadas), quando ele viu estava escolhendo só fotos de mulheres. O que gosto neste livro é ele ser anárquico. As imagens não são cronológicas, não há um tema”, comenta.
 

Todas as imagens, obviamente, tiveram que receber o aval das fotografadas. Algumas que fizeram nus para a Playboy não autorizaram e foram substituídas por outras — Wolfenson, claro, não revela quais. “Esse é um livro histórico. Não sei se hoje em dia existe espaço para esse tipo de revista. E vale dizer que o masturbador de plantão da Playboy não gostava das minhas fotos, pois elas não têm caráter sexista imediato, de uma mulher nua por aí. Sempre havia alguma coisa que se punha à frente, uma história, se formos falar de aspectos mais discutíveis das imagens, da objetificação da mulher”, afirma.

Instagram

Próximo de completar 50 anos de carreira, Bob Wolfenson lida muito bem com as mudanças tecnológicas. Não é, nem de longe, um nostálgico da fotografia analógica. “Ela é coisa de jovem, velho não usa sistema analógico, pois dá muito trabalho. Agora, com a tecnologia, você precisa menos de técnica do que antigamente. Houve ainda a democratização da fotografia, com o Instagram. Uma quantidade enorme de gente fotografa hoje, mas nunca houve tantas fotos ruins”, comenta.

E o bom retrato, como ele acontece? “Acho balela esses sensos comuns de que o retrato capta a alma e de que foto boa tem que ser descontraída. O retrato é um encontro entre os desejos de todos (fotógrafo e retratado). O importante é a confiança. Ela faz com que aquele momento seja um milagre”, conclui.


Bob Wolfenson
Fotos de Bob Wolfenson. Editora Terra Virgem. Número de páginas: 96. Preços: R$ 70 (12cm por 16cm) e R$ 250 (edição especial)

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.