Publicidade

Estado de Minas

Documentário sobre papa Francisco chega aos cinemas dos EUA em maio

"Pope Francis: a man of his word" mostrará o líder da Igreja Católica falando sobre diversos temas e viajando pelo mundo. O filme é de autoria de Wim Wenders e tem coprodução do Vaticano


postado em 15/02/2018 08:55

Filme sobre o papa ainda não tem datas definidas para estreia no resto do mundo(foto: Filippo Monteforte/ Agência France-Presse)
Filme sobre o papa ainda não tem datas definidas para estreia no resto do mundo (foto: Filippo Monteforte/ Agência France-Presse)
Los Angeles, Estados Unidos - Coproduzido pelo próprio Vaticano, o documentário sobre o papa Francisco chegará em maio deste ano aos cinemas. No filme, o líder da Igreja Católica fala sobre a vida, o universo e outros assuntos. O lançamento foi anunciado nessa quarta-feira (14/2).

Escrito e dirigido pelo três vezes indicado ao Oscar Wim Wenders, "Pope Francis. A man of his word" (Papa Francisco. Um homem de palavra) estreia nos Estados Unidos em 18 de maio, informou a produtora californiana Focus Features. A produtora confirmou a distribuição do filme, pela Universal Pictures, no exterior, mas ainda não deu detalhes sobre o calendário de lançamento mundial. 

No documentário, uma coprodução entre o Vaticano e cineastas externos, o papa se dirige ao público diretamente para falar sobre imigração, ecologia, desigualdade de renda e o papel da família. 

"Os conceitos visuais e narrativos diretos em frente à câmera colocam a audiência cara a cara com o papa, criando um diálogo entre ele e, literalmente, o mundo", disse um porta-voz em um comunicado. 

"A partir de perguntas de pessoas de todos os âmbitos, o papa Francisco responde a agricultores e trabalhadores, refugiados, crianças e anciãos, reclusos e aqueles que vivem em favelas e acampamentos de imigrantes", acrescentou. 

O filme mostra o pontífice de 81 anos viajando pelo mundo, falando nas Nações Unidas, se dirigindo ao Congresso dos Estados Unidos e no memorial de Yad Vashem em Jerusalém, dedicado à memória do Holocausto.

Também aparece falando a prisioneiros e refugiados em campos do Mediterrâneo e visitando os territórios palestinos e Israel, assim como a África, América do Sul e Ásia. 
 
Com informações da Agência France-Presse

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade