Economia
  • (6) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Dívida externa bate recorde: US$ 482 bilhões; débitos aumentam 37% Analistas alertam para o fato de mais de um terço do endividamento vencer entre 2014 e 2015, período de mudança na política monetária dos Estados Unidos, que deve elevar o dólar e a aversão ao risco Brasil

Diego Amorim

Publicação: 27/12/2013 07:10 Atualização: 26/12/2013 21:23

O Brasil chega ao fim de 2013 colecionando indicadores preocupantes. Não bastassem o crescimento pífio e a inflação bem acima da meta estipulada pelo governo, de 4,5%, a dívida externa bruta atingiu, em novembro, o maior valor desde o início da série histórica do Banco Central, em 1971. São US$ 482 bilhões em débitos no exterior, incluindo as faturas do governo, dos bancos, de empresas e os empréstimos intercompanhias, ou seja, aquelas transações feitas geralmente entre as filiais de multinacionais no Brasil e suas sedes fora do país.

Somente na era Dilma Rousseff, iniciada em janeiro de 2011, a dívida externa brasileira registrou um salto de 37%. Em valores absolutos, cresceu US$ 130,2 bilhões, complicando um quadro que era considerado confortável até então. Mesmo os saldos do setor público, que vinham chamando a atenção por apresentar quedas expressivas ao longo do ano, terminarão 2013 em alta, retornando ao patamar de cinco anos atrás, com US$ 64,6 bilhões acumulados.

O recorde, por si só, já seria suficiente para acender de vez o alerta em relação à dívida do país no exterior. Mas o cronograma do vencimento desses débitos, detalhado pela autoridade monetária, torna a situação mais delicada. Um terço do saldo total — US$ 157,2 bilhões — vencerá nos próximos dois anos, período de mudanças na política monetária do Federal Reserve (Fed), nos Estados Unidos, e de desconfiança acerca do próximo governo por aqui.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

Esta matéria tem: (6) comentários

Autor: augusto gus
Jose Júnior e outros que tenham duvidas: o sr Lula jamais pagou a divida externa. O que ele fez foi pagar um empréstimo que o Brasil fez no final do governo FHC junto ao FMI. Só que para fazer isso o pais emitiu títulos, ou seja, contraiu divida interna a um preço bem maior do que o a do FMI. | Denuncie |

Autor: Joel Barros
VÊ SE DA PRA DESTINGUIR AS DÍVIDAS EXTERNAS DE MULTINACIONAIS, ETC. EXISTENTE NO BR. DE E DÍVIDA PÚBLICA DO BR. C/O FMI!?... | Denuncie |

Autor: jose junior
Do total da dívida informada há de se destacar serem de empresas que fizeram captações externas como o bancos as mineradoras, Petrobrás e outras. O Governo anterior de fato quitou seus débitos externos mas o atual dispõem de política diversa. | Denuncie |

Autor: Imelton Azevedo
Alguém ainda se lembra de quando o Lula anunciou que "O BRASIL QUITOU SUA DÍVIDA EXTERNA" ? E estava até "EMPRESTANDO DINHEIRO AO FMI" ? Quantas mentiras ... Realmente está comprovado que não investir em Educação é a melhor maneira de manter-se no Poder. | Denuncie |

Autor: edson luna
o Lula não havia pago? | Denuncie |

Autor: Alcides Barros
Onde está a mídia televisiva? A última notícia que veicularam, ainda na era Lula, apregoava-se o final da dívida externa brasileira como sendo um trunfo do governo; E agora, como é que fica? Onde está o governo para refazer a notícia e dizer que tudo não passou de uma manobra política? | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.