Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Alta dos juros e incertezas da economia fazem poupança bombar Brasília está em 10º lugar no ranking de maiores aplicadores na caderneta. As três primeiras posições são ocupadas por Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Santa Catarina

Deco Bancillon

Publicação: 08/01/2014 08:19 Atualização: 08/01/2014 07:33

O volume de depósitos feitos nessa modalidade de investimento superou os saques em R$ 71 bilhões (Arte/CB/D.A Press)
O volume de depósitos feitos nessa modalidade de investimento superou os saques em R$ 71 bilhões
A alta dos juros básicos da economia (Selic) deu um empurrão na aplicação financeira mais popular do país, a caderneta de poupança. Em 2013, o volume de depósitos feitos nessa modalidade de investimento superou os saques em R$ 71 bilhões — um recorde. Apenas em dezembro, a captação líquida chegou a R$ 11,2 bilhões, também o maior resultado para um único mês desde 1995, quando o Banco Central começou a fazer o levantamento.

Leia mais notícias em Economia

As marcas refletem uma situação até pouco tempo inimaginável no país: se antes o brasileiro era conhecido como gastador, agora está guardando dinheiro. Somente no Distrito Federal, o valor médio dos depósitos chegou a R$ 3.408,16 no mês passado, segundo dados da Caixa Econômica Federal — no país, a média é de R$ 4.008,89. Com isso, Brasília está em 10º lugar no ranking de maiores aplicadores na caderneta. As três primeiras posições são ocupadas por Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Santa Catarina.

Para especialistas, tanto o valor mais elevado da aplicação quanto a maior procura pela poupança são reflexos dos efeitos que a crise mundial provocou na economia brasileira. Durante o período de dinheiro farto, até 2008, as famílias aproveitaram a grande oferta de crédito para contrair dívidas, que, mais à frente, se mostraram impagáveis para muitas. Sem ter como arcar com os compromissos, acabaram dando o calote. A inadimplência chegou ao maior patamar histórico em meados de 2012. À época, milhões de endividados não viram outra saída a não ser devolver ao banco o bem financiado, em especial automóveis.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas