Economia
  • (2) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Inflação chega aos 5,91% e corrói poder de compra do brasileiro Combustíveis, alimentos, passagens aéreas e gastos com domésticos fazem o IPCA de 2013 enterrar a promessa do governo de entregar custo de vida menor que o do ano anterior. Há risco de a carestia estourar o teto da meta, de 6,5%, no auge das eleições

Vicente Nunes - Correio Braziliense

Rodolfo Costa

Publicação: 11/01/2014 08:00 Atualização:

O servidor público André Santos Salvador, 35 anos, ficou os últimos dois meses em Miami, nos Estados Unidos, onde foi aprimorar o inglês. De volta ao Brasil, levou um choque: os preços de tudo o que costuma consumir no dia a dia tinham disparado. A começar pela gasolina. “Sinceramente, não sei de onde o governo diz que a inflação está sob controle”, dispara. “Nas lojas, nos supermercados, nos restaurantes, nos postos de combustíveis, a carestia é geral”, emenda.

Salvador está coberto de razão. Apesar da promessa do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, e da insistência do ministro da Fazenda, Guido Mantega, de que a inflação de 2013 seria menor que os 5,84% do ano anterior, o custo de vida mostrou que está muito longe de dar trégua às famílias. Somente em dezembro, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), usado como referência para o sistema de metas inflacionárias, registrou alta 0,92%. Foi o pior dezembro desde 2002 e a maior taxa mensal a contar de abril de 2003. No acumulado do ano, a carestia cravou 5,91%, puxada pelos alimentos, que, com alta de 8,5%, provocaram um misto decepção e de pessimismo.

A disseminação dos reajustes é total. Pelas contas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 69,3% dos produtos e serviços pesquisados pelo órgão apontaram aumento no último mês de 2013. O peso maior para o bolso dos consumidores, porém, veio do grupo transportes. As passagens aéreas subiram, em média, 20,13%, com picos em Fortaleza (30,48%) e em Salvador (31,74%). Já a gasolina apontou alta de 4,04% nas bombas, o dobro do projetado por especialistas, respondendo por 0,15 ponto percentual do IPCA. O preço do diesel saltou 4,9% e o do etanol, 4,8%. Os brasileiros não tiveram sossego nem com as passagens interestaduais de ônibus, em média, 1,3% mais caras. Não à toa, o setor de transportes, com elevação de 1,85%, garantiu, sozinho, 35% da inflação mensal.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (2) comentários

Autor: Paulo Costa
O índice,como tudo do Partido das Trevas, deve estar "maquiado"! Década perdida! Logicamente não foi uma década perdida p/ os "companheiros" e seus comparsas q foram favorecidos/enriquecidos pela corrupção, desvios de ética, favorecimentos ou, então, conseguiram uma "boquinha" em algum Órgão Público. | Denuncie |

Autor: GILMAR PEREIRA
5.91 uma ovo deve estar mais de 20% ao ano ! | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

:: Publicidade



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas