Economia
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

INSS e bancos aguardam o recadastramento de 15% do total de beneficiários Governo e instituições financeiras insistem no modelo antigo da chamada "prova de vida"

Diego Amorim

Guilherme Araújo

Publicação: 20/01/2014 07:04 Atualização: 20/01/2014 07:25

Mais de 4,7 milhões de aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) têm pouco mais de um mês para provarem que estão vivos e continuarem recebendo o benefício. O prazo do recadastramento de senha, imprescindível para a continuidade dos depósitos, termina em 28 de fevereiro próximo, e não deve mais ser prorrogado, como ocorreu em agosto do ano passado. Os brasileiros que estão com o processo pendente correspondem a 15% do total dos segurados.

Após prorrogação do prazo em 2013, segurados têm somente até 28 de fevereiro para atualizar o cadastro e garantir a manutenção do benefício (	INSS/Divulgação)
Após prorrogação do prazo em 2013, segurados têm somente até 28 de fevereiro para atualizar o cadastro e garantir a manutenção do benefício


Governo e instituições financeiras insistem no modelo antigo da chamada “prova de vida”, mesmo com recorrentes problemas envolvendo idosos impossibilitados — por doença ou dificuldade de locomoção — de comparecerem às agências bancárias para realizar o processo. Existe a opção de o beneficiário contratar um procurador e cadastrá-lo no INSS, mas essa alternativa também exige que a pessoa tenha de sair de casa.

A pitoresca “prova de vida” foi desenterrada em maio de 2012, após a atual gestão reunir indícios de que pagamentos estavam sendo feitos a pessoas mortas, além da constatação de benefícios distribuídos duas vezes para o mesmo contribuinte. “Ninguém questiona a necessidade do recadastramento, mas esse processo precisa ser feito de forma mais humana”, comenta o professor da Universidade de Brasília (UnB) José Matias-Pereira, especialista em administração e finanças públicas.

Burocracia

O especialista defende ser claramente possível ter a informação de quem, de fato, não pode ir a uma agência bancária para garantir o benefício. “Essas pessoas merecem um tratamento digno e a compreensão do Estado. Nada impede que elas recebam a visita de algum agente do banco ou do INSS em casa para o recadastramento”, sugere. “O que não dá é para continuar criando dificuldades e sustentando uma burocracia ineficiente”, completa o professor.

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: Lost Cluster
Por quê o INSS não envia pelos Correios um daqueles kits de coleta de impressão digital, igual aos utilizados nos concursos, com carta-resposta? Aí é só digitalizar a impressão digital e comparar com a cadastrada na segurança pública ou Justiça Eleitoral, quando esta concluir o cadastro biométrico. | Denuncie |

Autor: Alvaro Brito
Sugestão: Porque o jornal não visita as casas de 3ª Idade ( Ex.casa do vovô na L2 norte). Poderia ajudar muitos com o desenvolvimento desse assunto. O professor da UNB tem razão a burocracia está tirando a dignidade dos velhos! | Denuncie |

Autor: Alvaro Brito
Porque esse pessoal do Governo não visita a Casa do Vovô na L2 norte e verifica in loco, que esse sistema é ultrapassado. Como um velho que~mal consegue andar, vai a uma agência bancária? A agência é que deveria ir até ele! Os velhos geralmente são pessoas com dignidade! Não tirem isso deles!!!!!!!! | Denuncie |

Autor: Ernani oliveira
Incompetencia desse INSS!!!!!!Gosta de.Maltratar os Idosos. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas