publicidade

Fórum em Davos continua preocupado com a crise econômica na Europa

Com uma inflação baixa, também há o risco de deflação, uma queda prolongada dos preços muito prejudicial porque leva os consumidores a adiar as compras e às empresas a reduzir as expectativas e investimentos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 22/01/2014 18:47

France Presse

Davos - Desafiando os anúncios de recuperação na Europa, empresários e economistas reunidos em Davos se mostraram céticos nesta quarta-feira (22/1) e alertaram que o crescimento sólido e o emprego não são fáceis de alcançar. Nas edições anteriores do Fórum Econômico Mundial em Davos, a crise da zona do euro ocupou um grande espaço, pelos grandes temores que gerava. Não é o caso desta edição 2014, embora os atores econômicos não sejam exatamente otimistas.

O presidente da petroleira francesa Total, Christophe de Margerie, lançou o debate afirmando sem rodeios que a "Europa deveria ser considerada como um país emergente". Margerie pediu uma revisão profunda da economia europeia que cresce pouco (o FMI espera 1% este ano) e que mantém um nível alto de desemprego (12,1% em novembro), que entre os jovens de países como a Espanha e Grécia dispara acima de 50%.

Com uma inflação baixa (0,8% em dezembro), também há o risco de deflação, uma queda prolongada dos preços muito prejudicial porque leva os consumidores a adiar suas compras e às empresas a reduzir suas expectativas e investimentos. O presidente da Total defendeu também marcar a diferença desenvolvendo novas competências, ao invés de rivalizar com os países emergentes que fabricam os mesmos produtos a um custo menor.

"Francamente, precisamos de um novomotor. Deixemos de pensar que podemos avançar a partir de coisas que não podem ser fonte de desenvolvimento ou de crescimento para nossos países", declarou o presidente da Total. "As coisas parecem melhor do que são realmente, mas a Europa não está de volta", julgou em outro fórum Axel Weber, presidente do conselho de administração do banco suíço UBS e ex-presidente do banco central alemão.

Desemprego entre os jovens é preocupante


Especialistas como o economista Kenneth Rogoff, de Harvard, destacaram a necessidade de continuar reduzindo o endividamento, flexibilizar o mercado de trabalho e combater o desemprego entre os jovens. "A Europa é uma região que não cuida de seu futuro", disse Rogoff, que teme que o Velho Continente perca toda uma geração se persistir o nível de desemprego tão alto entre os jovens.

O presidente da petroleira italiana ENI, Giuseppe Recchi, afirmou que hoje em dia na Itália não "é difícil contratar uma pessoa de 30 anos que não tem experiência profissional". A solução, segundo os participantes do fórum, está em reformar o mercado de trabalho.

Leia mais notícias em Economia

"Perguntamos a 80 de nossos clientes quais são os pontos indispensáveis para seu crescimento na Europa. A resposta foi a rigidez do mercado de trabalho", declarou o presidente do grupo publicitário britânico WPP, Martin Sorrell. Respondendo a afirmação de Margerie de que a Europa deveria ser vista como um país "emergente", o economista em chefe da consultoria internacional IHS, Nariman Behravesh, disse que "em termos de desenvolvimento, tecnologia ou níveis do PIB per capita, a Europa continua sendo uma área muito rica".

Behravesh afirmou que o desemprego entre os jovens "é provavelmente o maior desafio da Europa neste momento". "É um problema econômico, mas também político, porque a última coisa que qualquer país quer é ter um monte de gente jovem sem trabalho; é uma situação muito perigosa", com um risco de revolta social em países como Espanha, Itália ou Grécia, acrescentou o analista.

Presente em Davos, o secretário geral do sindicato IndustriALL, Jyrki Raina, alertou sobre uma ruptura do Estado. "Seria muito perigoso destruir os modelos sociais europeus, a menos que se queira continuar no caminho de Bangladesh ou Camboja", onde há numerosas fábricas com condições de trabalho duríssimas, disse à AFP. Ao invés disso, o líder sindicalista pediu para "reparar o contrato social que a crise destruiu".

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade