Economia
  • (12) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

No Brasil, igrejas católicas e evangélicas movem R$ 21,5 bilhões ao ano Do total arrecadado, 72% vêm de doações. A maior parte do dinheiro está aplicada em poupança, imóveis e CDBs. Se as instituições fossem uma empresa, ocupariam, juntas, o 18º lugar no ranking nacional

Diego Amorim

Publicação: 26/01/2014 08:00 Atualização:

“Não podeis servir a
Deus e ao dinheiro”
Lc 16, 13

“Porque a raiz de todos os
males é o amor ao dinheiro”
I Tom 6,10


A relação das religiões cristãs com o dinheiro, ao menos abertamente, nunca se deu de maneira confortável. Antes de a chamada teologia da prosperidade apresentar aos fiéis a ideia de que graça divina e riqueza são diretamente proporcionais, o tema só aparecia nos sermões se fosse para ser abominado. Os primeiros padres definiam o dinheiro, ainda nos idos dos anos 200, como “excremento do diabo”, sempre associado à vaidade e ao orgulho, pecados mortais capitais.

O fato de os assuntos financeiros figurarem na lista dos mais sensíveis para os líderes de igrejas, porém, não impediu que, ao longo da história, as religiões cristãs acumulassem um patrimônio bilionário. Mesmo com tanto tabu em torno das sagradas finanças, padres, bispos e pastores precisaram aprender a contar dinheiro e a se convencer de que, sem ele, a manutenção dos templos, a caridade e a própria missão de evangelizar ficariam impossibilitadas.

A partir de hoje, o Correio destrincha a economia movimentada pela fé no Brasil, revelando como instituições religiosas, favorecidas pela imunidade tributária, administram o constante volume de ofertas, dízimos e recursos de outras naturezas. Por dia, as igrejas do país — a maioria católicas e evangélicas — arrecadam, em média, quase R$ 60 milhões. Somente em 2012, segundo dados exclusivos levantados pela Receita Federal, R$ 21,5 bilhões entraram nos cofres divinos. Em relação ao ano anterior, o recolhimento cresceu 4,3%, salto considerável diante do tamanho do montante.

Quadros desfavoráveis ou mesmo crises econômicas não costumam atingir a receita das igrejas. As doações respondem por 72% do dinheiro em caixa. O restante equivale a rendimentos gerados com aluguel ou vendas de bens, aplicações em renda fixa ou, em casos mais raros, operações na Bolsa de Valores.

Em geral, as igrejas têm aversão ao risco e, por isso, optam por políticas de investimento bastante conservadoras, não priorizando a rentabilidade. A sobra dos recursos doados às instituições, na maioria das vezes, cai na poupança ou é aplicada em Certificado de Depósito Bancário (CDB), os dois modelos mais simples de fazer o dinheiro render. Estratégias ousadas, como a compra e a venda de ações, normalmente são feitas em nome dos próprios líderes.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Tags:

Esta matéria tem: (12) comentários

Autor: Maria do Socorro Fernandes
Esse é mais um serviço da organização PT S.A., em ano de eleição, porque sabe que os religiosos abriram os olhos para as falácias do PT. Contribuo na igreja onde congrego, porque vejo o trabalho social deles, além do religioso. Há desvios sim, como em qualquer organização social, infelizmente. | Denuncie |

Autor: pedro welington barbosa macedo
se o governo aplicasse mais em educação e saude, ao invês de suprir um desvaneio de alguns que preferem gastar com estadios de futebol, carnaval e com salários milionarios de politicos corruptos, com certeza a educação e saude seriam melhor. | Denuncie |

Autor: pedro welington barbosa macedo
interessante que no estados unidos, eles aplicam muito em educação, e o indice de jovens rebeudes e terrorista é de lá. não tem a ver com dinheiro mas sim com exemplos de pais. | Denuncie |

Autor: Guilherme
Ingênuos que tiram o dinheiro do leite e da educação das crianças para custear o novo jatinho, a nova BMW a nova mansão e o novo Iate do pastor e do bispo. E tudo isento de impostos! Até quando será considerado legal explorar a superstição e ignorância das pessoas? Lamentável isso. | Denuncie |

Autor: paulo noe alcantara
infelizmente as igrejas estão preocupadas com as coisas materiais. templos maravilhosos e aconchegantes! mas tem muita gente humilde que precisa do pão de cada dia, precisa do alimento e de remédios.mas infelizmente o CRISTÃO não se deixa ajudar por vergonha.E aí perguntamos onde está a caridade? | Denuncie |

Autor: Izalberto Freitas
Alguém pode mim indicar uma franquia de igreja? | Denuncie |

Autor: Luiz Silva
No capitalismo tudo se compra até a salvação. | Denuncie |

Autor: edson luna
acho que todas as igrejas deveriam pagar impostos sim. os milhões arrecadados iriam ajudar bastante na educação e saúde do nosso país. hoje não tem dinheiro que sobre em nenhuma igreja, o dinheiro só entra e não sabemos como são usados na verdade. | Denuncie |

Autor: Beyonder ..
pequenas igrejas, grandes negocios. | Denuncie |

Autor: Vera Carvalho
Boa matéria! Vocês deveriam procurar saber como este dinheiro é investido em vidas. Drogados, prostitutas, interior do sertão nordestino esquecido pelos governantes, lembrado pelos dízimos e ofertas arrecadadas pelas igrejas.Facam a materia de forma correta. Outra sugestão é quanto o carnaval custa | Denuncie |

Autor: lupercio santos
Os Pastores precisam de recursos para administrar a igreja, mas é claro que hoje decidiram ficar ricos, e isso não é Bíblico, foi criado pelos que não querem suar a camisa, é mais fácil comer dos fiéis se baseando em versículos da Bíblia. | Denuncie |

Autor: Antônio Alencar
Não são igrejas, são empresas a gerar recursos para seus líderes usufruírem às custas de uma população pouco escolarizada e preguiçosa na arte de pensar. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas