publicidade

MP investiga aéreas por mudarem unilateralmente horários de voos

A suspeita é de que a manobra seja feita para possibilitar a revenda de assentos a preços mais elevados

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 01/02/2014 08:00 / atualizado em 31/01/2014 23:54

Diego Amorim

Bruno Peres/CB/D.A Press - 30/12/13

Passageiros que compram bilhetes com antecedência estão sendo surpreendidos com mensagens de celular e e-mails automáticos comunicando alterações de horário e trocas de voos domésticos e internacionais. As mudanças unilaterais por parte das companhias aéreas envolvem diferenças de até oito horas em relação ao trecho original. O troca-troca, conforme apurou o Correio, vai bagunçar o planejamento de muita gente durante o carnaval, atingindo rotas para o Rio de Janeiro e para Salvador, principais destinos nesse período. O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) investiga as remarcações, especialmente aquelas para as quais não existem justificativas plausíveis.

 Os prejudicados são justamente os que obedecem à orientação das próprias empresas e programam as viagens com antecedência. No entender do MP e de entidades de defesa do consumidor, o hábito de realocar passageiros fere os direitos dos clientes e configura abuso das companhias. Pior ainda: uma vez constatada que a mudança envolve voos que não foram cancelados, há a suspeita de que as companhias estejam remanejando clientes que compraram bilhetes mais baratos para lucrar com a venda, por preços elevados, de assentos vagos nos dias próximos ao voo.

As mensagens enviadas aos passageiros começam agradecendo pela escolha da companhia. Em seguida, o ajuste nos horários é imposto, com a explicação vaga de que foram necessárias “alterações operacionais”. Por fim, em tom de benefício, a companhia avisa que o cliente não pagará taxa alguma pelo procedimento.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade