Economia
  • (5) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Despesas de órgãos públicos mostram falta de prioridade e zelo Podem-se encontrar despesas de todo tipo nos mais diferentes órgãos dos Três Poderes, que mostram desrespeito com o dinheiro do contribuinte

Victor Martins

Bárbara Nascimento

Publicação: 03/02/2014 06:00 Atualização: 03/02/2014 09:00

Sete secadores de cabelo, 25 sprays de fixação extraforte, 15 unidades de pó compacto para o rosto, seis bases líquidas, seis batons e três lápis de olho na cor preta. Quem observa a lista de compras acima só pode concluir que são itens para um salão de beleza. Errado. Os produtos foram vendidos ao Senado Federal e fazem parte de uma longa lista de gastos, dispersos por diversas rubricas orçamentárias, que mostram como os órgãos do governo não estão preocupados em poupar o dinheiro público. Especialistas são unânimes quando avaliam esse tipo de despesa: falta prioridade.

Leia mais notícias em Economia


Os itens adquiridos são, no mínimo, curiosos. Podem-se encontrar despesas de todo tipo nos mais diferentes órgãos dos Três Poderes. São tapetes egípcios de R$ 6,9 mil para o Superior Tribunal Militar; 12 almofadas para meditação de modelo japonês, tipo zafu, para o Superior Tribunal de Justiça, que custaram a bagatela de R$ 1,5 mil; ou capas recarregáveis de iPhone para a Presidência. Os gestores públicos também são específicos nas suas compras, como se nota numa especificação feita pelo Supremo Tribunal Federal para a aquisição de toalhas: “Felpudas, pré-lavadas, em algodão, na cor amarelo claro”(sic). Foram 200 pelo preço de R$ 2 mil.

As exigências, porém, não são as mesmas em todos os locais. “Você vai aos órgãos públicos brasileiros e encontra um mobiliário diferente em cada um. Nos Estados Unidos, por exemplo, é tudo igual, tudo padronizado”, pontua o professor José Carlos Oliveira, especialista em contas públicas da Universidade de Brasília (UnB). “Faltam padrões no gasto público brasileiro, regras claras e permanentes. Senão, a conta vem alta demais e o contribuinte não pode dizer nada porque não tem um modelo de comparação para argumentar”, diz.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (5) comentários

Autor: Antonio Silva
Enquanto isso, meu órgão mandou retirar uma máquina de café e uma de refrigerante (nas quais os servidores PAGAVAM 2 reais por bebida). Motivo: botaram a máquina sem licitar...mas licitar o que, se eramos nós mesmos q pagávamos pelas bebidas? Enquanto uns pecam pela austeridade, outros esbanjam... | Denuncie |

Autor: Adina Corsi
A minha pergunta é o que faz o Tribunal de Contas da União (TCU)? Ele não está fiscalizando? | Denuncie |

Autor: Ana Paula Reis
Mulheres compra a maquiagem da Mary Kay e caro e bom...já que pode gastar o dinheiro público. | Denuncie |

Autor: joaquim pereira
A culpa é da PMDF. | Denuncie |

Autor: Vanderlei Alles
No Brasil, o que falta é bom senso... Pensou eu, que os mandantes dos três poderes vivem num Brasil perfeito, outro país... Sem caos na saúde, educação, transporte. No Brasil precisamos tirar 11 milhões de IRMÃOS da pobreza... ou seja uma conta que ficaria em tornode 11 milhões de reais. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas