Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Cristalina abriga e explora uma pedra de quartzo exclusiva no mundo Exposto acidentalmente à radiação gama de cobalto-60, o cristal aparentemente igual a qualquer outro ganhou uma exclusiva tonalidade verde-amarelada

Silvio Ribas - Enviado Especial - dired

Publicação: 09/02/2014 07:42 Atualização: 09/02/2014 14:48

Patenteado em 1997, o green gold é resultado da exposição do cristal à radioatividade gama do cobalto-60  (Eduardo Fernandes/Divulgação)
Patenteado em 1997, o green gold é resultado da exposição do cristal à radioatividade gama do cobalto-60


Cristalina (GO) — A explosão de um vulcão ocorrida há milhões de anos em Cristalina presenteou a cidade goiana com uma fonte volumosa e variada de cristais, conhecidos mundialmente pela predominância de suas seis faces características, e de areias ricas em silício puro. Como se não bastasse tudo isso, uma reserva de quartzo transparente localizada em uma longa fenda de extração dentro de uma mina a céu aberto da cidade se tornaria fonte para uma pedra única.

Exposto acidentalmente à radiação gama de cobalto-60, técnica usada para desinfetar frutas frescas para a exportação, o cristal aparentemente igual a qualquer outro ganhou uma exclusiva tonalidade verde-amarelada. Patenteada pelo empresário Eduardo Fernandes, da mineradora Areal Minas Goiás (AMG), como green gold (ouro verde, em inglês), o mineral modificado virou objeto de cobiça internacional, sobretudo de norte-americanos, chineses e indianos.

Leia mais notícias em Economia

“Esse cristal verde-amarelado ou amarelo-esverdeado se mantém a aparência constante, independentemente da luz incidente. Em razão das cores que carrega, gosto de chamá-lo de a pedra do Brasil”, conta orgulhoso Fernandes, conhecido em Cristalina como Duda, um misto de empreendedor e cientista. Ele lembra que o nome veio, em 1997, da reação espontânea de um especialista logo após ser apresentado a uma coleção do material, exposta pela AMG numa feira internacional de minerais em Tucson, Arizona (EUA). O empresário denuncia o uso ilegal de sua marca e tentativas fracassadas de reproduzi-la.

'Esse vale é o Oriente Médio do século 21', profetiza o empresário que tem a patente de pedra exclusiva (Breno Fortes/CB/D.A Press)
"Esse vale é o Oriente Médio do século 21", profetiza o empresário que tem a patente de pedra exclusiva


Apesar de todo o entusiasmo com uma descoberta que hoje lhe proporciona uma coleção variada de joias e objetos de decoração antes mesmo da frase this is a green gold (isso é um ouro verde), Duda vê um futuro ainda mais promissor em sua atividade com o uso de silício para placas de geração fotovoltaica. “Esse vale é o Oriente Médio do século 21”, profetiza.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.