publicidade

Com racionalização do uso da energia o país pouparia R$ 8 bilhões

Cifra gasta com a ativação de termelétricas poderia ser economizada se o governo incentivasse uma campanha por economia de energia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 11/02/2014 06:02 / atualizado em 11/02/2014 09:06

Sílvio Ribas

Cicero/CB/DA Press

A resistência do governo em pedir à população que colabore com o atual momento de estresse do setor elétrico e economize na conta de luz está custando caro ao país. Analistas estimam que pelo menos R$ 8 bilhões anuais gastos com termelétricas — acionadas para compensar o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas — poderiam ser poupados caso houvesse uma campanha de redução de consumo. Além disso, o risco cada vez maior de racionamento seria totalmente afastado se as famílias e as empresas ajudassem com uma singela economia média de 5%.

Mesmo sabendo disso, e apesar do crescente custo da eletricidade, prevalece o receio da presidente Dilma Rousseff de esvaziamento do seu discurso político caso um pedido de cooperação do público seja associado ao plano de racionamento de 2001, durante o governo Fernando Henrique Cardoso. “Seria bem mais barato à população e ao próprio governo reconhecer que a saída mais óbvia está num ajuste espontâneo da demanda”, afirmou ao Correio o dirigente de uma entidade do setor elétrico.

Na terça-feira da semana passada, curto-circuitos em duas linhas de transmissão que trazem energia do Norte para Sudeste resultaram em um apagão que atingiu 13 estados e o Distrito Federal, afetando cerca de 6 milhões de pessoas. Em nota, o Ministério de Minas e Energia reafirmou ontem que o abastecimento está assegurado “na quantidade e na qualidade necessárias a todos os consumidores”, apesar da queda dos níveis dos reservatórios.

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) revisou para cima a expectativa de alta do consumo de energia em fevereiro e sinalizou a necessidade de um corte da demanda em 5% nas regiões Sul e Sudeste. Em 2001, apesar de não fazerem parte do plano de racionamento, o Sul economizou, voluntariamente, 8%.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

publicidade

Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade