publicidade

Lobão diz que não há risco de faltar energia "em nenhuma circunstância"

Segundo ele, não haverá problemas de abastecimento mesmo se os reservatórios não atingirem os 43% até abril, conforme recomendação do ONS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 19/02/2014 16:16 / atualizado em 19/02/2014 16:23

Agência Brasil

Elza Fiuza/Agência Brasil

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse nesta terça-feira (19/2) que não há risco de desabastecimento de energia no país, mesmo que o nível dos reservatórios das regiões Sudeste e Centro-Oeste não chegue a 43% até abril, como prevê o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Segundo ele, não haverá problemas de abastecimento “em nenhuma circunstância”, mas o governo deseja que chegue a esse nível, considerado “confortável”.

“Mesmo que não se chegue a esse nível, não teremos desabastecimento em nenhuma circunstância. Mas nós desejamos que chegue a abril nesse nível”, disse. Ontem (18), o diretor-geral do ONS, Hermes Chipp, disse que o órgão espera que os reservatórios das hidrelétricas do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste cheguem ao final de abril com armazenamento médio de água em pelo menos 43% da capacidade total.

Leia mais notícias em Economia

Segundo ele, esse índice é suficiente para garantir o fornecimento de energia no país, em 2014 e em 2015. Ontem, o nível dos reservatórios do Subsistema Sudeste/Centro-Oeste estava em 35,33%, segundo o ONS.

Lobão disse que o suprimento de energia do país está garantido com o uso de térmicas, mesmo com o custo mais caro de produção de energia. “As térmicas são feitas para isso, são uma reserva estratégica em um momento de dificuldade". Segundo ele, o governo sabia. desde que as usinas termoelétricas foram construídas, que o acionamento delas custaria mais caro. Ele acrescentou que o governo ainda não decidiu se aumentará o aporte do Tesouro, para cobrir o custo das térmicas e evitar que o preço seja repassado para os consumidores.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade