publicidade

EUA: Fed continuará reduzindo o apoio, volatilidade não afetará as economia

Nas atas da reunião realizada em janeiro, o Fed considera que "os efeitos da recente volatilidade não foram suficientemente fortes para perturbar as perspectivas econômicas"

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 19/02/2014 16:48 / atualizado em 19/02/2014 20:07

France Presse

Washington - Os membros do Federal Reserve (Fed) norte-americano concordaram em continuar reduzindo a um "ritmo moderado" a ajuda à economia norte-americana, segundo as atas da última reunião de seu Comitê de política monetária (FOMC).

"Se a economia continuar se desenvolvendo conforme as previsões, serão adotadas novas reduções a um ritmo comedido", disse o FOMC, segundo as atas publicadas nesta quarta-feira. Também foram debatidas extensamente as cifras do desemprego, principalmente as de dezembro, que mostraram uma criação de emprego medíocre e que os participantes da reunião consideraram decepcionantes e até uma "anomalia".

Eles insistiram na necessidade de considerar outros indicadores do mercado de trabalho, além da taxa de desemprego, como a queda da taxa de participação da população no mercado de trabalho ou a proporção de empregos de tempo parcial.

Leia mais notícias em Economia

A reflexão sobre a situação do mercado de trabalho está ligada à necessidade do Fed de mudar em breve sua mensagem "de orientação de política monetária", muito acompanhada pelos mercados.

Ao cair a 6,6% em janeiro, a taxa de desemprego se aproxima do nível de 6,5% identificado pelo Fed há mais de um ano como o necessário para um eventual aumento das taxas de juros. Alguns membros do FOMC favoreceram um aumento "relativamente em breve" das taxas de juros, atualmente próxima a zero.

O Comitê de política monetária também considerou que a atual volatilidade observada nos mercados emergentes não ameaça a economia mundial. Nas atas da reunião realizada dia 28 e 29 de janeiro, o Fed considera que "os efeitos da recente volatilidade não foram suficientemente fortes para perturbar as perspectivas econômicas desses países e que as repercussões sobre os Estados Unidos serão provavelmente limitadas".

Em uma nota publicada mais cedo, o FMI confirmou suas projeções de janeiro nas quais estima um crescimento mundial de 3,75% em 2014 e de cerca de 4% em 2015, "com a condição de que o impacto da recente volatilidade seja de curta duração".

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade