publicidade

Rombo nas contas externas deixa Brasil exposto ao capital especulativo

Cenário obriga o BC a manter juros elevados

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 10/03/2014 08:05 / atualizado em 10/03/2014 08:08

Deco Bancillon , Victor Martins

Diante do enfraquecimento do setor produtivo nacional, que está sem forças para atender o consumo doméstico, o rombo nas contas externas disparou. Para cobrir o buraco, o Brasil passou a apelar ao hot money, dinheiro de especuladores que corre o mundo em busca de juros atrativos. Até o fim do ano, serão necessários pelo menos US$ 17 bilhões desse tipo de capital para financiar o deficit. No cenário mais pessimista, que leva em conta um quadro de estresse financeiro global, essa dependência chegaria a US$ 51 bilhões, conforme estimativas do mercado financeiro coletadas pelo Banco Central.



Leia mais notícias em Economia

De início, o governo Dilma Rousseff levantou uma série de barreiras para conter a entrada desse dinheiro, considerado “arisco” pelo governo, que a qualquer sinal de problemas, ou de oportunidade financeira mais vantajosa, pode deixar o país. Na época, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, foi o responsável por colocar travas contra esses recursos, aumentando, por exemplo, o Imposto sobre Financeiras (IOF) sobre a entrada do dinheiro. Foi, segundo ele, uma reação ao “tsunami monetário” vindo dos Estados Unidos, que passaram a injetar bilhões de dólares no mercado para reanimar a economia do país, no chão após o estouro da crise de 2008/2009.



A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

publicidade