publicidade

Banco da Inglaterra denuncia grave manipulação do mercado cambial

A instituição pretende criar um quarto posto de vice-presidente, que ficaria responsável pelos mercados financeiros e o setor bancário

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 11/03/2014 14:01

France Presse

Londres - As supostas manipulações no mercado cambial podem ser tão graves quanto as fraudes com a taxa interbancária Libor, que abalaram o setor financeiro, afirmou o presidente do Banco da Inglaterra (BoE), Mark Carney. "Isto é extremamente grave, tão grave como a Libor, se não mais", declarou Carney a uma comissão parlamentar que investiga denúncias de manipulação do mercado cambial.

Durante a audiência parlamentar, Carney, canadense, disse que o BoE, que na semana passada suspendeu um funcionário em uma investigação sobre o caso, não tem nenhum indício de que a instituição teria tentado ignorar a manipulação. "Não temos nenhuma informação sugerindo que alguém no Banco da Inglaterra tenha fechado os olhos para as manipulações do mercado, as tenha facilitado ou participado nelas", disse.

A declaração foi uma resposta a informações da imprensa britânica, de que diretores do BoE sabiam que os operadores do mercado cambial tinham por costume trocar informações sobre as ordens de seus clientes antes de estabelecer uma taxa de referência e que haviam assegurado a estes que não afetavam as regras. Carney anunciou que serão apresentadas medidas para reforçar os melhores aspectos do Banco da Inglaterra.

Leia mais notícias em Economia

A instituição pretende criar um quarto posto de vice-presidente, que ficaria responsável pelos mercados financeiros e o setor bancário, segundo Carney. A Autoridade de Conduta Financeira (FCA) investiga há meses as supostas manipulações no mercado cambial. Desde então, a investigação chegou outros países, principalmente Estados Unidos e Suíça.

Os grandes bancos britânicos - Barclays, HSBC e Royal Bank of Scotland (RBS) - já confirmaram que estão sendo investigados no caso. O Deutsche Bank, o suíço UBS e os americanos Citi e JPMorgan Chase também anunciaram que estavam colaborando com as autoridades regulatórias para esclarecer o caso.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade