publicidade

Produção industrial avança 2,9% em janeiro, segundo IBGE

Na comparação com igual mês de 2013, a indústria registrou em janeiro queda de 2,4%

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 11/03/2014 18:36

Sílvio Ribas

A produção industrial esboçou uma forte reação em janeiro, avançando 2,9% sobre o mês anterior. O resultado, divulgado ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), foi puxado pela produção de bens de capital e ficou acima das expectativas dos analistas. Apesar disso, o melhor desempenho em um ano foi incapaz de compensar o tombo de 3,7% registrado no último mês de 2013.

Na comparação com igual mês de 2013, a indústria registrou em janeiro queda de 2,4%. Especialistas apostavam numa alta mensal de 2,5% e um recuo de 3,4% na comparação anual. Dos 27 ramos pesquisados pelo IBGE, 17 tiveram crescimento mensal em janeiro, tendo à frente farmacêutico (29,4%), veículos automotores (8,7%) e máquinas e equipamentos (6,4%).

"A indústria nacional está entrando no quinto ano sem crescimento real, alternando momentos de fortes altas com outros de fortes quedas. E esse tipo de comportamento é fatal para as decisões privadas de investimentos", comentou Pedro Paulo Silveira, economista da Universidade de São Paulo (USP).

Leia mais notícias notícias em Economia

Segundo ele, os números evidenciaram que as importações têm tido peso importante na atividade industrial desde 2009, considerando o momento de forte concorrência internacional, com mercados emergentes, inclusive a China, apresentando queda nos saldos comerciais.

Segundo o IBGE, a categoria de bens de capital, considerado um indicador da taxa de investimentos, avançou 10% em janeiro ante dezembro, no melhor resultado desde os 14,5% de junho de 1997. Os técnicos do instituto apontam a retomada da produção de caminhões como principal fator para isso. Em dezembro, o ramo despencou 12,2% na comparação mensal e subido 2,5% em relação a mesmo mês do ano passado. A produção de bens de consumo, por sua vez, cresceu 2,3% na comparação mensal, sendo 3,8% em bens duráveis. Sobre janeiro de 2013, esse grupo recuou 3,6%.

Para o professor de economia da Universidade Presbiteriana Mackenzie Pedro Raffy Vartanian, o salto de janeiro pode ser explicado pela queda nos estoques devido aos receios da indústria nos últimos dois meses de 2013. No ano passado, a indústria brasileira oscilou muito, acumulando expansão de 1,2% e levantando temores sobre recuperação mais robusta. Na avaliação do especialista, o setor industrial terá dificuldades em 2014, diante da alta de juros e dos custos em dólar.

Mariana Hauer, economista do Banco ABC Brasil, também ressaltou que o crescimento de janeiro verificado na categoria de bens de capital não mostrou igual performance em outras, como bens de consumo não duráveis. "Os bens duráveis continuam perdendo o fôlego na medida em que os incentivos fiscais do governo para o setor de linha branca e automóveis param de existir. Para fevereiro, apesar de alguns sinais positivos, nossas perspectivas ainda são de um crescimento modesto para 2014, de 1,7%", observou. Em 2013, o crescimento da produção industrial ficou em 1,1%.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade