SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Dieese aponta queda no custo de vida, mas alerta sobre alta dos alimentos

De um total de dez grupos pesquisados, sete apresentaram aumentos com destaque para alimentação (1,26%), saúde (0,78%), equipamento doméstico (0,51%) e transporte (0,44%)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/03/2014 15:07

Agência Brasil

O Índice do Custo de Vida (ICV), na cidade de São Paulo, medido pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), ficou em 0,61%, em fevereiro. Essa elevação foi 1,34 ponto percentual menor do que a registrada em janeiro (1,95%). No acumulado de 12 meses, a taxa teve alta de 6,75% e neste ano 2,57%.

De um total de dez grupos pesquisados, sete apresentaram aumentos com destaque para alimentação (1,26%), saúde (0,78%), equipamento doméstico (0,51%) e transporte (0,44%). Nos demais grupos ocorreram as seguintes variações: educação, leitura e recreação (0,33%), despesas diversas (0,73%), despesas pessoais (-0,09%), vestuário (-0,22%) e recreação (-0,81%).

Os itens alimentícios acumulam aumento de 2,66% neste ano e os que mais subiram de preço em fevereiro foram os in natura e semielaborados (2,49%). As hortaliças ficaram em média 20,41% mais caras e entre elas a alface com alta de 25,01%. Já os legumes tiveram reajuste médio de 12,24%. Só o chuchu ficou 32,68% mais caro; a vagem teve elevação de 19,73% e a berinjela, 16,80%.

As frutas eram encontradas por preços em média 6,19% acima do registrado, em janeiro, e algumas das principais variações foram: pêssego (12,73%); ameixa (9,80%); laranja (9,46%) e melancia (9,06%). No mesmo período, houve queda de preços do abacate (-18,98%); da pêra (-6,11%) e do limão (-4,29%).

Entre as raízes e tubérculos com alta de 2,53% houve expressiva elevação da beterraba (17,87%), cenoura (12,25%), mandioca (3,14%) e cebola (2,84%) e queda no caso da batata (-0,50%) e mandioquinha (-0,20%).

Leia mais notícias em Economia

Os cortes de carne bovina passaram a custar 1,36% mais enquanto os de suína caíram 0,34%. O leite in natura apresentou alta de 0,56%; os grãos teve recuo de 0,62% como reflexo do feijão com redução de 5,34% que acabou compensando o aumento de 1,03% do arroz e de 2,55% em outros grãos. No segmento de aves e ovos ocorreu diminuição de 1,85% e foram as aves que influenciaram o resultado ao cair 2,96%. Já os ovos tiveram acréscimo de 3,34%.

Os alimentos processados apresentaram recuo de 0,16% com destaque para o açúcar (-3,34%) e leite do tipo longa (-2,91%). E fazer as refeições fora de casa implicou em pagar 0,97% mais do que em janeiro pelo mesmo tipo de serviço.

As famílias que mais sentiram o peso do ICV sobre o orçamento doméstico foram as de classe média com renda média de R$ 934,17. Para esse segmento social, a inflação teve uma variação de 0,65%, enquanto para os consumidores de baixa renda (teto de R$ 377,49), o custo de vida subiu com menos intensidade (0,54%) . Em referência aos que detém poder aquisitivo maior (na faixa de R$ 2.792,00), o índice oscilou em 0,59%.

No acumulado de um ano, os mais ricos foram os mais penalizados pela alta de preços com inflação de 7,28% ante 6,22% pesquisado na classe média e 5,72% entre os mais pobres.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.