publicidade

Bancos brasileiros têm elevada capacidade para absorver choques, diz BC

Sistema financeiro não sofreu com falta de recursos mesmo com a turbulência que atingiu países emergentes no ano passado, segundo relatório

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 20/03/2014 11:14 / atualizado em 20/03/2014 12:07

Deco Bancillon

O sistema financeiro nacional manteve, no segundo semestre de 2013, “elevada” capacidade para absorver choques e de emprestar dinheiro, na avaliação do Banco Central (BC). Mesmo com a turbulência que atingiu países emergentes em meados do ano passado, provocada por incertezas quanto à recuperação econômica dos Estados Unidos, os bancos nacionais não sofreram com falta de recursos.

“Assim como nos semestres anteriores, e mesmo diante do cenário de redução na liquidez global, manteve-se a avaliação de baixo risco de liquidez e de elevada resiliência do sistema bancário brasileiro”, disse trecho do Relatório de Estabilidade Financeira, publicado esta quinta-feira, 20.

Leia mais notícias em Mundo

O documento também faz avaliações sobre a recuperação da economia mundial, e diz que notou desempenhos “heterogêneos” entre países. “No segundo semestre de 2013, a atividade econômica global se fortaleceu, mas continuou o quadro de desempenhos heterogêneos entre os países, com as economias maduras consolidando a perspectiva de retomada do crescimento e os países emergentes sendo afetados pelas incertezas associadas ao início da retirada dos estímulos de política monetária nos Estados Unidos da América (EUA)”, apontou.

Um reflexo disso, disse o documento, foi a elevação nas taxas de juros no Brasil. “Ao longo do semestre no Brasil, as taxas de juros domésticas mantiveram trajetória crescente; a cotação do real e o mercado bursátil (acionário) apresentaram grande flutuação; e o risco-país oscilou em torno do nível mais elevado alcançado ao término do primeiro semestre”.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade