publicidade

Preços elevados do país incomodam brasileiros e assustam estrangeiros

Impostos elevados, burocracia enraizada, infraestrutura precária e serviços de má qualidade fazem o custo de vida no Brasil ser maior que em outros países

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 22/03/2014 08:00

Simone Kafruni



Notabilizado por ter as maiores taxas de juros do mundo, o Brasil pode lamentar outra desconfortável liderança: é o país mais caro do planeta. Os brasileiros sentem no bolso o alto custo de vida todos os dias, mas o preço absurdo de produtos e serviços já extrapolou as fronteiras do território nacional. Estrangeiros em visita ao país, a turismo ou a negócios, são surpreendidos pela carestia desenfreada.

Alguns poucos exemplos bastam para constatar que o Brasil é o campeão dos preços altos. O iPhone 5S vendido no país é o mais caro do mundo. Em grandes cidades, como Brasília, Rio e São Paulo, uma pizza pode sair por US$ 30 (cerca de R$ 70), bem mais do que em Nova York. Carros e eletrodomésticos custam, pelo menos, 50% mais aqui do que em outros países.

Não é à toa que os brasileiros recorrem a criatividade para protestar contra o alto custo de vida. O movimento $urreal, que usa redes sociais para denunciar os abusos, e o fenômeno do isoporzinho, iniciativa dos festeiros para não pagar a exorbitância cobrada por bares e restaurantes, são exemplos da insatisfação no cenário de carestia.

Leia mais notícias de Economia

O que pode ser novidade para os estrangeiros, no entanto, incomoda a população brasileira desde sempre. O Brasil nunca foi barato porque os problemas que encarecem produtos e serviços são estruturais, diz o economista Alcides Leite, professor da Escola de Negócios. “A alta carga tributária, uma das mais elevadas do mundo, e a ineficiência na cadeia produtiva, na qual faltam investimentos em maquinário e automação, são problemas antigos que colocam o país em desalinho com os preços internacionais”, observa.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

publicidade

publicidade