publicidade

Presidente Dilma ataca "conclusões precipitadas" sobre a economia

Discurso foi resposta ao rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela agência de classificação de risco Standard & Poor´s

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 29/03/2014 20:47 / atualizado em 29/03/2014 21:00

Blog do Planalto

O rebaixamento do Brasil pela agência de classificação de risco Standard & Poor’s, na semana passada, foi rebatido de forma indireta neste sábado (29/3) pela presidente Dilma Rousseff, que disse que não vai se abalar com “julgamentos apressados” e com “conclusões precipitadas” sobre a economia brasileira. Em tom alarmista, Dilma disse que “a realidade desmentirá” as previsões pessimistas feitas sobre o país. “Todos sabemos que, em economia, a realidade sempre se impõe”, disse a presidente, durante discurso no Fórum Econômico da América Latina, realizado este fim de semana, na Costa do Sauípe, Bahia.

Dilma acredita que especulações e até interesses políticos têm prejudicado avaliações isentas sobre o desempenho da economia brasileira. “Em alguns momentos, expectativas, especulações, avaliações e até mesmo interesses políticos podem obscurecer a visão objetiva dos fatos. Para nós, o que importa é que continuaremos a agir para manter o pais no rumo certo, sem abdicar em nenhum momento do nosso compromisso fundamental com a solidez da economia e com a inclusão e o desenvolvimento social e ambiental do país”, contou a presidente.

Leia mais notícias de Economia

Durante o governo Dilma Rousseff, a média de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) caiu à metade do que era durante o segundo mandato do ex-presidente Lula. Os 2% alcançados por Dilma são o pior desempenho desde o governo Fernando Henrique Cardoso, motivo pelo qual levou a agência de classificação de risco Standard & Poor’s a rebaixar de "BBB" para "BBB-", na semana passada. Agora, o país está no último degrau na escala de grau de investimento. Se perder a nota, será rebaixado para a categoria de economia especulativa.

publicidade

Tags:

publicidade