publicidade

Dilma provoca estragos nas áreas de petróleo, de álcool e de eletricidade

Essa crise, cada vez mais evidente, tem gerado impactos crescentes na saúde fiscal da União, na balança comercial e nas projeções de crescimento econômico do país

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 31/03/2014 06:00

Sílvio Ribas

AFP PHOTO / Evaristo Sa

A economista Dilma Rousseff fez carreira política e ganhou fama de gestora pública ferrenha ao se apresentar como especialista no planejamento do setor energético. Alçada, em 2011, à Presidência da República, ela assiste agora, no último ano de seu mandato, a uma consolidação de turbulências simultâneas nas áreas de eletricidade, petróleo e etanol, provocadas por suas decisões polêmicas, algumas tomadas ainda quando era ministra de Minas e Energia e, depois, da Casa Civil. Essa crise, cada vez mais evidente, tem gerado impactos crescentes na saúde fiscal da União, na balança comercial e nas projeções de crescimento econômico do país.

O quadro de estresse no setor preferido da presidente (veja quadro) reúne nós difíceis de desatar. Numa das pontas, ecoam a ameaça crescente de um racionamento de energia e o fato de as distribuidoras de eletricidade dependerem cada vez mais de mesadas do Tesouro Nacional para não quebrarem. Na outra, estão os preços defasados dos combustíveis, que, além de minarem o caixa da Petrobras, estão estraçalhando as contas externas do país. Para completar, há o desarranjo do complexo sucroalcooleiro, com usinas que acreditaram na promessa de renovação da matriz energética brasileira, investiram pesado apostando no aumento do consumo que não veio e, agora, só contabilizam prejuízos. A situação é tão preocupante nesse segmento que, em nenhum estado do país, é mais vantajoso abastecer o carro com álcool.

O problema para o consumidor, ao menos por enquanto, não é a falta de energia, mas sim o aumento no
valor da conta a ser paga”
Fábio Luiz Cuberos, diretor da Safira Energia


“O que estamos assistindo é a coroação de medidas equivocadas, tomadas de forma voluntarista, sem ouvir os agentes do ramo. O problema é que a fatura dos estragos está sendo compartilhada com toda a sociedade”, observa um executivo da área de açúcar e álcool, elo mais frágil da matriz energética, imprensado pela indústria petroleira e pela geração elétrica. Depois de pedidos reiterados de socorro federal, o conjunto estratégico de usinas de etanol do país — concentradas no Triângulo Mineiro, em Goiás e no oeste de São Paulo — começa a dar marcha a ré ao ousado processo de resistência energética do país, iniciado em 1975 com o Proálcool. Tudo porque o governo insiste em obrigar a Petrobras a vender gasolina importada por preços irreais.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

publicidade

publicidade