Economia
  • (1) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Argentina: sindicalistas suspendem bloqueios nas ruas mas greve continua Ruas da capital e de outras grandes cidades do país estavam repletas de lixo por causa da paralisação dos funcionários da limpeza pública

France Presse

Publicação: 10/04/2014 18:07 Atualização:

Manifestantes bloqueiam a rodovia Pan-Americana, em Buenos Aires (Daniel Garcia/AFP photo)
Manifestantes bloqueiam a rodovia Pan-Americana, em Buenos Aires

Buenos Aires - Sindicalistas e manifestantes argentinos suspenderam nesta quinta-feira (10/4) à tarde vários bloqueios nos acessos a Buenos Aires montados durante uma greve de 24 horas contra a política econômica do governo da presidente Cristina Kirchner.

Os piquetes nas ruas foram realizados por grupos mais radicais de esquerda que impediram a circulação em diferentes acessos da periferia da capital. Além dos bloqueios, a paralisação nos transportes públicos também reforçou a greve geral convocada pelas cinco centrais sindicais.

A esquerda quis se diferenciar da liderança sindical peronista que convocou a greve geral, mas sem mobilização, e rejeitou a metodologia dos bloqueios das vias. Desde o amanhecer, mais de 100 estudantes e professores com bandeiras e cartazes bloquearam a movimentada avenida Córdoba, em frente à Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade de Buenos Aires.

Leia mais notícias em Mundo

"Isso não é perder tempo. É mais importante estar aqui do que perder uma aula. Isso se recupera", disse a estudante de Medicina Jacqueline Jurado.

As ruas da capital e de outras grandes cidades do país estavam repletas de lixo por causa da paralisação dos funcionários da limpeza pública.

Em um dia parecido com um domingo, pelo menos 50% dos estabelecimentos comerciais preferiram fechar suas portas. Os que continuaram abertos estavam vazios. Grandes redes de farmácias, fast-food, supermercados e lojas de acessórios femininos funcionaram, já que o Sindicato dos Empregados do Comércio não aderiu à medida.

Como aconteceu em todas as estações ferroviárias, o enorme terminal de Retiro, aonde milhares de pessoas chegam todos os dias da periferia norte de Buenos Aires, estava vazio e sujo, protegido por dezenas de policiais.

Apesar da paralisação de metrôs, ônibus e trens, algumas empresas ameaçaram descontar o dia dos funcionários faltosos.

Esta matéria tem: (1) comentários

Autor: Daniel Filho
A presidenta Cristina Elisabet Fernández de Kirchner merece ser indicada para o Prêmio Nobel de Química pelo fato dela ter transformado a Argentina em CÁCA. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas