publicidade

Número de demissões em março é o maior desde 1999, segundo Caged

A região Nordeste teve a maior queda do número de empregos, 27.044 postos (- 0,41%), seguida pelo Norte, menos 3.352 (- 0,18%)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 17/04/2014 17:00 / atualizado em 17/04/2014 16:57

Vera Batista

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (caged), o número total de empregos gerados em março de 2014 foi de 13.117. O resultado total de admissões em março é o pior número para o mês desde 1999. Na época, houve um saldo negativo, um total de demissões de 76312.

Segundo o ministro do trabalho, Manoel Dias, esses números surpreenderam e ocorreram porque o carnaval foi em março. As empresas contrataram muito no início de fevereiro e acabaram demitindo em março. Além disso, coincidiu com o fim da temporada de verão.

Prova disso, é que no acumulado do ano, de janeiro a março, foram gerados 344.984 postos, que é um resultado superior ao mesmo período de 2013, quando foram gerados 306.068.

Que contratou mais foi o setor de serviços, com 37.453 pessoas (+ 0,22%); seguidos de indústria de transformação com mais 4.484 postos (+ 0,06%); administração pública, com mais 3.482 postos (+ 0,38%) e serviços, indústrias e utilidades públicas, 499 postos ou (+ 0,12%).

O desempenho negativo foi no comércio, com 26.251 postos (- 0,29%); agricultura teve menos 5.314 ou (- 0,34); construção civil menos 2.231 postos (- 0,07%); extrativa mineral teve menos cinco postos (estabilizado).

Leia mais notícias em Economia

A região Sul foi a que manteve a primazia com mais 26.062 postos (+ 0,35); Sudeste mais 18.340 postos (+ 0,08%). O Nordeste teve a maior queda: 27.044 postos (- 0,41%); Norte menos 3.352 (- 0,18%) e Centro-Oeste menos 889 postos (- 0,03%).

No primeiro trimestre de 2014, os salários médios reais de admissão tiveram alta de 2,49%. Em relação ao mesmo trimestre de 2013, os salários passaram de R$ 1.138,46 para R$ 1.176,84.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade