Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Oferta de cana-de-açúcar reduzirá na próxima safra, estima Unica A entidade estima que, no total, a oferta será 580 milhões de toneladas

Agência Brasil

Publicação: 23/04/2014 13:40 Atualização:

A projeção para a safra 2014/2015 de cana-de-açúcar divulgada nessa terça-feira (22/4) pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) aponta para queda de 16,94 milhões de toneladas na moagem, em relação à safra anterior. A entidade estima que, no total, a oferta será 580 milhões de toneladas.

A presidenta da Unica, Elizabeth Farina, avalia que o setor enfrenta uma crise finceira profunda e contínua. "Há uma angústia em relação ao futuro e ao papel que [o setor] acha que vai desempenhar", disse. A presidenta destacou as ínúmeras demissões ocorridas nas usinas, como consequência dessa crise.

Quanto à redução na expectativa de moagem, a queda na produtividade agrícola nos canaviais brasileiros vai ser ocasionada pelo longo período de estiagem sofrido no final do ano passado e início deste ano. Apesar disso, a Única constatou crescimento de 5% na área disponível para a colheita. A expansão reflete a menor renovação do canavial e do significativo volume de cana não processada durante a safra anterior, a chamada cana bisada.

Leia mais notícias em Economia

O rendimento da área a ser colhida na safra 2014/2015 poderá sofrer queda de 8% na comparação com a safra anterior, que somou 79,8 toneladas por hectare. O volume de cana-de-açúcar processada na safra 2014/2015 deverá ser 2,84% menor que o da safra anterior.

Do total de cana-de-açúcar a ser processada, a projeção é que 56,44% sejam destinadas à produção de etanol, um aumento de 1,66 ponto percentual em relação à safra anterior. Já a produção de açúcar deve ficar 5,23% menor. Para o diretor da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, isso está relacionado às condições econômicas das usinas. "É fruto da condição financeira das empresas que precisam de receita", disse ele.

Segundo Rodrigues, muitas dessas empresas já abondonaram o mercado de açúcar por diversos fatores. Uma delas é o fato de o etanol remunerar entre 10 e 15% mais que o açúcar. "O mercado de etanol tem muito mais liquidez, é fácil encontrar compradores", destacou.

Elizabeth defendeu uma mudança na lei que estabelece que a mistura de etanol na gasolina deve ficar entre 18% e 25%. Para ela, um incremento maior de etanol na mistura poderia proporcionar benefícios ao consumidor, como redução de preços e dimunição na emissão de poluentes no meio ambiente. A mudança geraria também uma queda na necessidade de importação de gasolina. "São vários elementos muito positivos", declarou.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas