publicidade

Senacon lança Política Nacional de Educação Financeira para Consumidor

A ação foi feita depois do crescente número de reclamações feito por clientes contra práticas abusivas dos bancos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 07/05/2014 13:45

Guilherme Araújo

Devido ao crescente número de reclamações de clientes contra práticas abusivas praticadas pelos bancos, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) do Ministério da Justiça anunciou nesta quarta-feira (7/5), em Brasília, uma Política Nacional de Educação Financeira para o Consumidor. O Banco Central recebeu 23,3 mil queixas ano passado de cobranças indevidas, juros abusivos, dificuldades em fazer portabilidade de dívidas e vendas casadas. Essas reclamações foram 100% a mais que as registradas em 2012.

Para reduzir a insatisfação dos consumidores, a Senacon pretende instruir o cidadão sobre seus direitos e deveres ao contratar qualquer crédito junto às instituições financeiras. O conteúdo da nova política estará disponível em um programa de educação financeira até o final desse mês no site www.justiça.gov.br.

Leia mais notícias em Economia

Outra funcionalidade do programa da Senacon é orientar o consumidor a organizar as dívidas mensais. “O poder de consumo é algo novo no país. A população tem mais acesso ao crédito e cabe a nós orientar e auxiliar o cidadão com dicas de como contatar um crédito habitacional ou consignado com uma linguagem simples”, disse ao Correio a secretária da Senacon, Juliana Pereira.

O programa não contará com um canal de reclamações, mas a secretária alertou que as queixas de práticas abusivas dos bancos podem ser feitas nos 800 Procons espalhados pelo país ou na ouvidoria do Banco Central. “O setor bancário é um dos mais reclamados em todo o país. Isso incentivou a Senacon a elaborar um material para preparar o consumidor antes de fechar qualquer acordo de crédito”, ressaltou Juliana Pereira.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade