publicidade

Falta de peças atrasa o conserto de carros nas concessionárias

Quando os clientes procuram saber o motivo do atraso, que pode chegar a meses, enfrentam um grande jogo de empurra

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 12/05/2014 07:43

Guilherme Araújo

Concessionárias de veículos têm recorrido a práticas ilegais para camuflar um problema frequente na rede de lojas: a falta de peças nos estoques, que tem provocado longa demora no conserto de carros. Quando os clientes procuram saber o motivo do atraso, que pode chegar a meses, enfrentam um jogo de empurra entre revendedoras, fabricantes e empresas de seguro. Não bastasse isso, as autorizadas dão preferência, nos reparos, aos automóveis que forem deixados nos galpões. E desistir do serviço pode pesar no bolso: as oficinas cobram por hora de trabalho na montagem e remontagem dos veículos. A estratégia é utilizada para segurar o cliente, segundo admitem profissionais da área, mas infringe o Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Carlos Moura/CB/D.A Press


A enfermeira Vanessa Barbosa Fontinele, 31 anos, possui um Agile, da Chevrolet, que está há dois meses em uma concessionária no Setor de Indústrias Gráficas (SIA) por falta de peças no estoque. “Meu carro foi roubado e levaram as rodas, quebraram o vidro traseiro e o porta-malas. Todas as vezes que ligo, eles afirmam que estão aguardando o envio das peças pelo fabricante”, conta. “Essa situação é ruim. Eu preciso do carro para trabalhar. Não estamos falando de peças importadas. Não entendo toda essa demora”, desabafa.

Leia mais notícias em Economia

O vice-presidente do Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos do Distrito Federal (Sincodiv-DF), Hélio Aveiro, diz que problemas com peças foram recorrentes no final do ano passado devido ao grande número de vendas de veículos. “Hoje a situação já está normalizada. Fiz uma pesquisa nas concessionárias e a informação que tenho é de que não faltam peças nos estoques”, afirma.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

publicidade

publicidade