publicidade

Governo pode assumir salário de terceirizados que estão sem receber

AGU e ministérios da Fazenda, do Planejamento, da Educação e das Relação Exteriores avaliam legalidade de efetuar pagamento direto aos empregados

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 14/05/2014 06:00 / atualizado em 14/05/2014 08:21

Antonio Temóteo

Ed Alves/CB/D.A Press

Após a PH Serviços decidir encerrar as atividades e deixar os terceirizados sem o salário de abril, parte do governo avalia arcar com os pagamentos. Apesar disso, os trabalhadores não sabem quando terão os contracheques regularizados e ainda há incertezas sobre quem assumirá as rescisões contratuais. Diante do imbróglio, o Ministério Público do Trabalho (MPT) se reunirá com representantes da empresa amanhã, às 15h, na sede do órgão na quadra 513 da Asa Norte.

Com esse problema, a Advocacia-Geral da União (AGU), os ministérios da Fazenda, das Relações Exteriores, do Planejamento e da Educação estudam juridicamente se é possível fazer o pagamento direto aos terceirizados. Dados do Portal da Transparência mostram que, somente em 2013, a prestadora recebeu R$ 254 milhões do governo federal, e, nos três primeiros meses de 2014, outros R$ 48,2 milhões em contratos com órgãos do Executivo.

Leia mais notícias em Economia

O Correio antecipou, nas últimas semanas, que empregados da PH lotados na AGU, nos ministérios da Fazenda e das Relações Exteriores e da Universidade de Brasília (UnB) não receberam o contracheque de abril. De um total de 12 mil empregados, a empresa possui pelo 6.443 lotados na Esplanada (veja quadro ao lado). Nem o faturamento robusto de R$ 302,2 milhões entre janeiro de 2013 e março de 2014 impediu que a empresa quebrasse. O presidente da firma, Hélio Chaves, afirmou que encerrará as atividades porque tem um buraco de R$ 17,1 milhões nas contas, resultante de atrasos de pagamentos de clientes.

Além de estudar se é possível fazer o pagamento direto aos empregados. A AGU informou que começou a levantar informações para adotar medidas judiciais cabíveis que garantam o pagamento de outras verbas trabalhistas. Conforme a Controladoria-Geral da União (CGU), cabe a cada órgão do Executivo fiscalizar o contrato que celebra, uma vez que não há uma contratação globalizada para todo o governo federal.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

publicidade

publicidade