publicidade

Crise energética leva indústrias do país a instalar fábricas no exterior

Disparada do preço da eletricidade, que deve avançar a partir de 2015, levou fábricas a preferirem vender a própria energia, reduzindo o ritmo ou fechando linhas de montagem

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 19/05/2014 08:10

Simone Kafruni

A participação dos produtos industriais importados nas prateleiras do comércio brasileiro alcançou, no primeiro trimestre deste ano, um novo recorde: 22,5% do total. Apesar do avanço da concorrência de fora, sobretudo asiática, o maior desafio para as fábricas instaladas em território nacional está no ambiente doméstico, representado pela disparada dos custos para se produzir no país, com destaque para a eletricidade.

Jorge Cardoso /CB/D.A Press


Esse choque para a indústria, que já sofre com a perda constante de competitividade, está levando empresas autogeradoras a venderem a própria energia no lucrativo mercado à vista, reduzindo o ritmo ou fechando suas linhas de montagem. Os ganhos compensam o corte na produção. Mas há algumas que foram além e já transferiram suas unidades de fabricação para o exterior, para fugir do alto preço do megawatt/hora (MWh). O caso mais notório dessa tendência está nos aviários localizados na Região Sul.

Leia mais notícias em Economia

Aproveitando esse contexto, o Paraguai lidera a disputa internacional pelas indústrias brasileiras. Sócio do Brasil em Itaipu, o país vizinho só utiliza 5% do que é gerado na maior hidrelétrica da América Latina. Os outros 45% a que tem direito são quase sempre comprados pelo mercado brasileiro para suprir a crescente demanda. Com a crise do setor elétrico nacional se agravando, o governo paraguaio vem, nos últimos anos abordando empresários do outro lado da fronteira usando a energia da usina binacional, vendida bem mais barato, como chamariz.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

publicidade

publicidade