Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Greenpeace perde 3,8 milhões de euros no mercado por erro de funcionário Diretores da ONG não acreditam em má fé do trabalhador, que teria cometido um erro de cálculo

France Presse

Publicação: 15/06/2014 14:29 Atualização:

Haia - A ONG Greenpeace perdeu 3,8 milhões de euros em doações no mercado de valores pelo "grave error de cálculo" de um de seus funcionários, informou a organização, que divulgou um pedido público de desculpas.

"Até o momento, não há qualquer prova de que tenha feito isso para enriquecimento pessoal. Parece que se trata apenas de um grave erro de cálculo", disse à AFP o diretor de Comunicação do Greenpeace, Mike Townsley.

 

Leia mais notícias de Economia

Para se proteger das flutuações das taxas de câmbio, o Greenpeace tem vários contratos com firmas especializadas na compra de divisas a taxas fixas, explicou Townsley.

"É uma prática habitual em organizações como a nossa, que tem sucursais em muitos países", justificou, acrescentando que "sem isso, seríamos muito vulneráveis às flutuações e poderíamos perder muito dinheiro de que nossa organização precisa em vários pontos do mundo".

Segundo o porta-voz, um dos funcionários do Greenpeace "extrapolou suas funções" e tomou a iniciativa de firmar um desses contratos sem a aprovação da organização, que tem sua sede na Holanda.

"O contrato se mostrou muito prejudicial para nós", lamentou Townsley, sem dar detalhes.

"Perdemos EUR 3,8 milhões com essa história, é uma quantia alta", completou, informando que o orçamento anual do Greenpeace é de cerca de 300 milhões de euros.

Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas