publicidade

Preços das passagens aéreas sobem 22,15% durante a Copa do Mundo do Brasil

O aumento do valor dos bilhetes pressionou a inflação de junho

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 19/06/2014 06:05 / atualizado em 19/06/2014 00:30

Deco Bancillon

Breno Fortes/CB/D.A Press


A inflação deu, finalmente, um alívio ao bolso. Em junho, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), prévia do custo de vida oficial, avançou 0,47%. Em maio, a alta havia sido de 0,58% e, um mês antes, de 0,78%. Apesar da desaceleração, os preços continuam longe do centro da meta do governo, de 4,5% ao ano. Pior: em junho, no acumulado em 12 meses, eles alcançaram 6,41%, quase encostando no teto de tolerância, de 6,5%. Na avaliação do economista sênior do BES Investimento, Flávio Serrano, é só “questão de tempo” até que esse patamar máximo seja rompido.

Leia mais notícias em Economia

Boa parte dessa pressão veio dos preços das passagens aéreas. Dados divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que as companhias aéreas aproveitaram a chegada da Copa do Mundo para faturar em cima dos turistas. No Nordeste, onde a oferta de voos diários é menor do que do Sudeste e do Centro Oeste, o avanço das tarifas foi maior. “Em Salvador, por exemplo, os preços subiram 37,39% por conta do Mundial”, disse o economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito.

Em média, em todo o país, os bilhetes aéreos ficaram 22,15% mais caros este mês. Não por acaso, o grupo transportes, cujos preços haviam recuado 0,33% em maio, voltou a ficar em campo positivo, com alta de 0,5%. Em 12 meses, porém, a pressão dos preços sobre o IPCA ainda é relativamente baixa, 3,4%, em razão do congelamento de reajustes nas passagens de ônibus, trens e metrôs nas principais capitais, reflexo das grandes manifestações populares de 2013.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade