Economia
  • (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Crise da dívida argentina deve ser levada ao G20, defende Dilma Dilma manifestou apoio a Argentina e disse que é contra o processo judicial que pode levar o país vizinho a pagar cerca de U$ 15 bilhões aos chamados fundos abutres

Agência Brasil

Publicação: 17/07/2014 22:19 Atualização:

A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (17) que pretende levar ao G20 (grupo formado pelas 19 maiores economias do mundo mais a União Europeia) a discussão sobre a judicialização da dívida externa da Argentina. Dilma manifestou apoio a Argentina e disse que é contra o processo judicial que pode levar o país vizinho a pagar cerca de U$ 15 bilhões aos chamados fundos abutres. Para Dilma, o processo tem trazido "instabilidade" à discussão sobre dívidas soberanas.

“Não sei se vocês sabem, mas o Brasil contratou um advogado e entrou como amicus curiae da Argentina nesse processo. Esse processo criou uma instabilidade nas negociações de dívida soberana. Isso é muito grave. Cria incerteza sobre a estabilidade e a segurança jurídica e torna qualquer negociação de dívida soberana um imponderável. Quando você cria um imponderável entre devedores e credores, está contribuindo para desestabilizar o sistema”, argumentou a presidenta, em entrevista após reunião da Cúpula Brasil-China e líderes da América Latina e do Caribe, última etapa da 6ª Cúpula do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) realizada na tarde desta quinta-feira no Palácio Itamaraty.

A expressão amicus curiae é de origem latina e significa "amigo da Corte". Ela é utilizada quando, mesmo sem ser parte no processo, alguém é chamado ou se oferece para intervir com o objetivo de apresentar a sua opinião sobre o debate travado nos autos.

“Levar para o G20 não é chegar ao G20 e ficar reclamando. É chegar e dizer olha, tem um foco de instabilidade grave no sistema de negociação de dívida soberana que, aliás, em 2011, em 2012 e parte de 2013 foi o tema central da reunião do G20,” observou Dilma. “Levar ao G20 é levar ao fórum que tem tratado disso de forma sistemática, séria, e que viveu e enfrentou uma série de problemas nos últimos tempos”, acrescentou.

Leia mais notícias em Economia

Os chamados fundos abutres ganharam na Justiça americana uma disputa para receber integralmente o valor da dívida de bônus da moratória decretada pela Argentina em 2001. Os papeis foram comprados a preços baixos de investidores que se recusaram a aceitar a proposta de reestruturação da dívida, feita em 2005.

Dilma defendeu regras claras para a negociação das dívidas externas dos países como forma de garantir a estabilidade do sistema financeiro internacional e lembrou que, no caso argentino, de todos os credores, 92% aceitaram a renegociação da dívida com o governo, sem ter que recorrer à Justiça para receber o valor corrigido.

“Nós somos a favor da estabilidade financeira. Achamos que no futuro algum país, como foi o caso da Grécia e de outros países da Europa, pode precisar de negociações de dívida soberana e aí tem que ter regras do jogo claras. Não é possível que haja uma negociação toda e, de repente, se desmonte a negociação porque se cria instabilidade,” criticou.

Ontem, a presidenta da Argentina, Cristina Kirchner, agradeceu o apoio do Brics e da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) na questão com os fundos abutres e disse que seu país passa por um ataque especulativo por parte dos fundos. Cristina pediu ainda o fim do que chamou de "pilhagem internacional em matéria financeira."

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

PUBLICIDADE

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas