publicidade

Mantega manifesta otimismo sobre renegociação da dívida argentina

O ministro lembrou que o juiz de primeira instância de Nova York, que obrigou o pagamento da dívida a parte dos fundos abutres, flexibilizou alguns pagamentos, o que abre caminho para um acordo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

postado em 29/07/2014 21:41

Agência Brasil

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, manifestou hoje (29) otimismo com a renegociação da dívida soberana da Argentina. Segundo ele, ainda existem chances de o país chegar a um acordo com os fundos abutres (que compram títulos podres e cobram o valor na Justiça) e evitar o calote.

“Acho difícil que isso [o calote] aconteça, pelo seguinte: se houver moratória - estou raciocinando - a Argentina não vai pagar nada para os fundos abutres nem para os outros credores. Vai ter de fazer outra reestruturação, o que seria ruim para todo mundo. Então, é uma situação que vale a pena para todos renegociar”, analisou Mantega.



O ministro lembrou que o juiz de primeira instância de Nova York, que obrigou o pagamento da dívida a parte dos fundos abutres, flexibilizou alguns pagamentos, o que abre caminho para um acordo. “Espero que não haja novo default (calote). Não seria conveniente nem para os fundos abrutres”, declarou.

Leia mais notícias em Economia

Mantega descartou ainda que uma eventual moratória argentina tenha impacto sobre as exportações brasileiras para o país vizinho. “Aquilo que tinha de ajustar já ajustou. Estamos exportando menos”, disse. Segundo ele, iniciativas como o acordo automotivo, assinado com o governo argentino, no início de junho, melhoraram o fluxo de comércio. O ministro disse, no entanto, que as exportações para a Argentina não têm como crescer muito em 2014. “Até deu uma melhorada, mas como eles não estão crescendo muito neste ano, estão comprando menos do Brasil”, explicou.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade