Economia
  • (6) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Vendas de veículos nos primeiros meses do ano acumulam queda de 9,7% Montadoras temem que mercado se mantenha desaquecido

Publicação: 03/09/2014 06:04 Atualização:

Nas concessionárias, esperança de melhora com redução de juros  (Carlos Moura/CB/D.A Press - 3/10/09)
Nas concessionárias, esperança de melhora com redução de juros


As medidas do governo para estimular o financiamento de veículos se mostram, até o momento, ineficazes. E nem a injeção de recursos no mercado por meio do afrouxamento do compulsório dos bancos foi capaz de melhorar o ânimo da indústria automobilística. Os fabricantes temem que o cenário de juros, inflação e endividamento em alta se mantenham no próximo ano e prejudiquem ainda mais o desempenho do setor, afetando, inclusive, o nível de emprego. “Essa é a realidade atual do país e também a nossa”, afirmou o presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Flávio Meneghetti. “E com os ajustes econômicos esperados para a virada do ano, prevemos que mercado de veículos deve ser parecido em 2015.”

No mês passado, os emplacamento de automóveis e comerciais leves, ônibus e caminhões caíram 17,2% em comparação com agosto de 2013. Segundo a Fenabrave, 272.495 unidades foram vendidas no período contra 279.805 em julho, recuo de 7,56%. No acumulado do ano, somaram 2,23 milhões de veículos, com queda de 9,7% ante os primeiros oito meses de 2013.

Meneghetti afirmou que a queda nas vendas em agosto contrariou as previsões. “Fomos surpreendidos com agosto pior do que o de julho, que foi mês de Copa do Mundo e cheio de feriados”, afirmou. O executivo vê um ambiente pessimista para o consumidor, principalmente pelas informações econômicas, e a dificuldade de acesso ao crédito como as principais causas da contração no número de emplacamentos do mês passado.

Demissões

A expectativa do setor é de que a conjuntura macroeconômica adversa possa se agravar, caso se confirmem as previsões de que o próximo presidente tenha de tomar medidas, como, por exemplo, a recomposição de preços da gasolina e eletricidade, o que agravaria ainda mais as dificuldades na economia. Para Meneghetti, a cadeia automobilística pode inclusive começar a cortar postos de trabalho, apesar de várias das medidas anunciadas pelo governo federal nos últimos anos para incentivar o setor terem como contrapartida a promessa de manutenção de empregos. “Existe um limite de tempo. Se este cenário se prolongar, vamos ter que enfrentar essa questão”, disse. “As empresas precisam ficar vivas.”

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

Esta matéria tem: (6) comentários

Autor: GILMAR PEREIRA
tem muita godura para queimar enguanto isto fico com o meu usado mesmo ! | Denuncie |

Autor: Geovane Lopes
Q as vendas não estão aquecidas tudo bem, mas o q vejo é q a indústria automobilística não quer diminuir seus lucros abusivos. É meus amigos das montadoras, ou vocês diminuem esses preços e se acostumem com os lucros praticados em outros lugares no mundo ou vão embora daqui. Estamos aprendendo! | Denuncie |

Autor: Epaminondas Levis
Num mercado sadio, a lei da oferta e procura rezaria que os preços deveriam baixar quando a venda se torna difícil. Mas, na Banãnia reza a seguinte frase: "se colar, colou". Baixar preço ninguém quer, né? | Denuncie |

Autor: Marcelo Almeida
Nossa, estou muito triste com essa notícia...huahuhahauau. Carroças sendo vendidas a preços exorbitantes com altíssimas taxas e querem recordes de venda atrás de recordes. Sou potencial( futuro) comprador mas só quando houver quedas de no mínimo 20 mil no valor de carros( disse carros) de ponta | Denuncie |

Autor: Diogo Ferreira
Montadoras e concessionárias vendendo carro de plástico como se fosse de ouro. Torço pra que as vendas caiam ainda mais. Tenho $$ pra comprar um carro a vista, mas eles tratam os clientes como gado, como se estivessem fazendo um favor! Se engana quem acha que a culpa é exclusiva dos impostos. | Denuncie |

Autor: fausto r machado
A população tem que parar de comprar estas carroças que são vendidas como carro no Brasil, com o mesmo valor de um carro popular nos EUA pode-se comprar um carro de LUXO. Agora querem baixar os juros, porque não diminuem o valor das carroças, que eles chamam de carro. ACORDA BRASIL. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

PUBLICIDADE



  • Últimas notícias
  • Mais acessadas