SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Turbulência política e crise fiscal seguram a retomada da economia

Índice de atividade do Banco Central caiu 0,78% no 3º trimestre e acumula recuo de 4,83% no ano

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/11/2016 07:00 / atualizado em 18/11/2016 08:02

Antonio Temóteo

A escalada da crise política no país, que teve como último episódio a prisão do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB), deixou o mercado e o setor produtivo em alerta. Analistas e empresários temem que mais caciques peemedebistas sejam presos na Operação Lava-Jato e a turbulência traga instabilidade institucional e afete ainda mais a economia.

A situação preocupa o vice-presidente de Relações Institucionais da Serasa Experian, Paulo Melo. Ele explicou que os varejistas estão otimistas com a possibilidade de aumento de vendas em novembro e dezembro. Entretanto, a escalada das manifestações no Rio de Janeiro e a possibilidade de outros estados não honrarem o pagamento do 13º salário dos servidores pode prejudicar o faturamento das companhias.

Leia mais notícias em Economia

Melo comentou que parte do mercado espera uma recuperação da atividade econômica a partir do segundo semestre de 2017, mas uma nova crise política poderia prejudicar esse processo. “A instabilidade política não ajuda. Já temos várias revisões das projeções de crescimento no próximo ano, e a retomada demoraria mais”, disse.

Projeções
Em meio ao aumento dos riscos políticos, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado ontem, registrou queda de 0,78% no 3º trimestre. Nos nove primeiros meses do ano, a retração chega a 4,83%. Em setembro, o indicador subiu 0,15%, abaixo da estimativa do mercado, que esperava aumento de 0,2%. O diretor de Pesquisas e Estudos Econômicos do Bradesco, Octavio de Barros, destacou que o resultado do mês refletiu, majoritariamente, a alta de 0,5% da produção industrial.

Barros disse que a queda do IBC-Br no trimestre o levou a projetar recuo de 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB) no mesmo período. O resultado oficial será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 30 de novembro. O economista-chefe do banco Haitong, Jankiel Santos, lembrou que tem sido frequente, nas declarações de diretores do BC, a afirmação de que os primeiros sinais de retomada já começam a surgir. “Entretanto, a divulgação do índice compilado pela própria instituição poderá levar a autoridade monetária a rever tal prognóstico”, afirmou.



A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade