SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Antes de gastar o 13º salário, é preciso quitar dívidas

Consumidor deve analisar bem o que fazer com a parcela extra do salário que chega no fim do mês

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/11/2016 08:00 / atualizado em 20/11/2016 08:28

Vera Batista

Até o fim de novembro, cerca de 84 milhões de trabalhadores receberão a primeira parcela do 13º salário. O benefício vai injetar R$ 197 bilhões na economia, o equivalente a 3% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Com a renda extra na mão, é preciso analisar com calma o que fazer com o dinheiro, especialmente em um momento de inflação e juros elevados e de previsões nada otimistas no mercado de trabalho.

A prioridade, segundo especialistas, deve ser o pagamento de dívidas, principalmente as mais caras (que cobram juros maiores), como cartão de crédito e cheque especial. Mas, segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), a opção dos brasileiros parece ser outra. De acordo pesquisa desses órgãos, apenas 27% dos entrevistados não vão gastar o 13º nas compras de Natal. E desses, 26,6% pretendem quitar dívidas e organizar a vida financeira e 26,4% guardarão uma parte para pagar os compromissos do início do ano, como matrícula e material escolar,  Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) ou Imposto sobre a Propriedade de Veículos automotores (IPVA).

Os dados mostram ainda que mais de cinco em cada 10 brasileiros (52,9%) vão dirigir parte significativa dos recursos para as comemorações de fim de ano. Algumas pessoas, destacou o levantamento, lançarão mão de estratégias para aumentar a renda: 41% farão bicos para complementar as despesas com os mimos natalinos, principalmente, os mais jovens (50,1%) e as pessoas das classes C, D e E (44,8%). “Embora muitos não tenham ainda se acostumado a fazer poupança, percebemos que aumenta a preocupação com o futuro e com o equilíbrio financeiro. 


O importante é resistir às tentações e cada vez que olhar para uma promoção se perguntar se aquilo é realmente necessário para sua vida”, explica o educador financeiro do SPC Brasil e do portal Meu Bolso Feliz, José Vignoli.

O auxiliar administrativo Roni Abreu, 32 anos, e a comerciária Caline da Mota, 25, pais da pequena Sofia, de três meses, vão usar o dinheiro extra para o bem-estar da filha. “Tudo será para ela. Vou comprar berço, roupinhas e abrir uma caderneta de poupança para, quando Sofia crescer, poder pagar uma faculdade”, destaca Roni. Ele, que tem renda mensal de R$ 1,2 mil, não tem dívidas. “Compro tudo à vista. Raramente uso cartão de crédito e não tenho cheque especial”, orgulha-se. Caline, que recebe R$ 1,4 mil mensais, fará o mesmo. “Vamos arrumar o quartinho dela.” Os dois ainda reservam uma parte da renda para fazer caridade. “Compramos cestas básicas para ongs que acolhem crianças”, conta.



A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Alvaro
Alvaro - 20 de Novembro às 20:34
Natal é época de gastar, economizar para pagar dividas e multas o pessoal tem o ano inteiro! Vai viver o mané!

publicidade