SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Novos setores apostam em criatividade para conseguir financiamento

Mesmo sem atrair a confiança das instituições financeiras convencionais, os novos setores apostam na colaboração por meio de plataformas digitais para bancar os projetos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/11/2016 08:00

Simone Kafruni

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press - 28/10/16

Na economia criativa ter uma grande ideia não significa conseguir viabilizá-la das formas convencionais, sobretudo porque, no Brasil, os conceitos inovadores ainda não conquistaram a confiança das instituições financeiras. “O potencial dos novos setores é muito grande, mas não há financiamento tradicional para esse nicho”, alerta a ex-secretária de Economia Criativa do Ministério da Cultura (MinC) Claudia Leitão, professora da Universidade Federal do Ceará (UFCE). Para suprir essa carência, surge também uma nova forma de colaboração. O chamado crowdfunding, que nada mais é do que as pessoas apostarem em projetos e o financiarem por meio de uma plataforma digital.

A angústia de ver projetos brilhantes não saírem do papel provocou o empreendedorismo social em Candice Pascoal, fundadora e presidente da Kickante, plataforma de financiamento coletivo. Operando há três anos, a empresa já catapultou mais de 25 mil campanhas e arrecadou R$ 28 milhões. “Eu tinha visto crowdfunding nos Estados Unidos e na Europa e decidi trazer para o Brasil. O financiamento coletivo está apenas começando no país”, afirma.

Até hoje, mais de 700 mil brasileiros se engajaram apoiando projetos. “Isso é incrível para a cidadania do país. São milhões de pessoas que precisam e outros tantos dispostos a ajudar”, comemora Candice. O crescimento do negócio da Kickante, que triplica a cada ano, mostra que há demanda e também disposição em colaborar. “Temos pessoas que já investiram em 70, 80 projetos”, conta.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade