SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Aumenta o contingente de desempregados que desistiram de encontrar trabalho

Número de pessoas à procura de uma vaga se mantém em 12 milhões, segundo o IBGE

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

Carlos Vieira/CB/D.A Press


Os efeitos da recessão estão atingindo níveis alarmantes no mercado de trabalho. No trimestre encerrado em outubro, 12 milhões de pessoas estavam à procura de emprego, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Embora o número tenha apresentado estabilidade em relação ao trimestre imediatamente anterior, a população ocupada caiu 0,7% no período, para 89,9 milhões de pessoas. Na avaliação de analistas, a queda mostra que o desalento — situação em que desocupados desistem de procurar emprego — está aumentando.

Leia mais notícias de Economia

Tal cenário explica, também, por que a taxa de desemprego se mantém em 11,8% há três trimestres móveis consecutivos. Como a desocupação é um movimento de pressão de pessoas à procura de emprego, a estagnação do número de desempregados é um indicativo de que as pessoas estão perdendo a esperança em voltar ao mercado de trabalho e deixando de procurar por uma vaga, destaca o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo.

“Estamos nos aproximando do último trimestre do ano e não há sinais de recuperação. Pelo contrário. Há uma redução da população ocupada com carteira assinada e um aumento da população fora da força de trabalho. Esse crescimento pode estar relacionado ao desalento. Significa que as pessoas perderam o emprego e nem procurar trabalho foram”, avaliou. No trimestre encerrado em outubro, a população na força de trabalho, ou seja, a soma entre ocupados e desocupados, caiu 0,4% em relação ao trimestre anterior. Já a população fora da força de trabalho — que inclui os inativos e mais aqueles que podem trabalhar mas não estão procurando emprego — cresceu 1% na mesma base de comparação.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade