Plantão fiscal vai ajudar os contribuintes com o Imposto de Renda

Estudantes de contabilidade do UDF atenderão pessoas com renda mensal de até R$ 5 mil, microempreendedores individuais, aposentados e empregadores domésticos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
Jhonatan Vieira/Esp. CB/D.A Press
Cerca de 50 alunos do Centro Universitário do Distrito Federal (UDF) começam nesta quinta-feira, 9, mais um período de plantão fiscal. Os alunos de Ciências Contábeis vão fazer a declaração do Imposto de Renda (IR) 2017, grátis, para quem os procurar. Fazem parte do público-alvo dos estudantes pessoas físicas com renda mensal em torno de R$ 5 mil, microempreendedores individuais (MEI), aposentados e empregadores domésticos.

Será o 12º ano dessa atividade de extensão, sob a supervisão de professores e monitores. E o terceiro período sob o guarda-chuva do Núcleo de Apoio Contábil e Fiscal (NAF), braço educacional da Receita Federal. No ano passado, 19 alunos atenderam cerca de 100 contribuintes. A meta, agora, é dobrar esse número, diz o professor Deypson Gonçalves Carvalho, supervisor.

Segundo ele, o número limitado de atendimento tem uma explicação. “Fazer IR para terceiros não é como vender refrigerante nem é muito diferente de uma consulta médica, pois leva tempo para o aluno interagir, ouvir, conferir documentos, preencher a declaração, por exemplo”, diz. Carvalho explicou que o principal objetivo do plantão fiscal é o aprendizado dos universitários. “Por isso, nós atendemos pessoas que carecem de conhecimento sobre IR”, continua ele.

O professor Eurípedes Rosa do Nascimento Junior, coordenador-geral do NAF, um dos cinco em funcionamento no grupo Cruzeiro do Sul Educacional, proprietário da UDF desde 2010, reforça o objetivo da criação do plantão. “É para o aluno aprender. Se vem alguém com patrimônio muito elevado, a gente não faz. A maioria que nos procura não sabe nem que documentos precisa recolher”, diz Eurípedes. Além de fazer a declaração de IR, também acompanham o documento depois de enviado. “Avisamos os contribuintes quando a declaração cai na malha fina”, explicou o professor.

Pasta eletrônica

Com o acesso dos alunos a dados sobre rendimento e variação patrimonial dos contribuintes, o sigilo fiscal não seria quebrado? Para o professor Carvalho, a resposta é negativa. “Nunca tivemos nenhum problema nesse sentido, mesmo porque o acompanhamento é do CPF (Cadastro da Pessoa Física), que pode ser feito por qualquer um. Temos uma pasta eletrônica na UDF para isso e nossos alunos sabem muito bem os riscos”, completou.

Os professores explicam que há uma seleção para a escolha dos alunos envolvidos. Primeiro, um docente do curso dá uma palestra sobre IR da Pessoa Física. Em algum momento, um analista e um auditor da Receita Federal também dão palestra. Testes são aplicados aos 350 estudantes do curso de contabilidade e somente um sétimo é escolhido.

“Sinto-me apta a ajudar o contribuinte”, afirma Tayrine Amorim, 20 anos, que cursa o terceiro semestre de ciências contábeis no UDF. Ela explicou que cumpriu outra das exigências, que é ter feito a matéria de direito tributário. Saber bastante sobre o programa, as leis e as mudanças constantes nas regras do IR é parte do preparatório para fazer o atendimento no NAF.

“Nada disso me assusta, porque é o que vamos encarar quando terminarmos o curso na faculdade”, comenta ela, que já trabalha num escritório de contabilidade. O coordenador-geral enfatizou o viés de educação fiscal versus corrupção que o ambiente do NAF proporciona aos alunos, repassado aos contribuintes. O atendimento do NAF do UDF em março será às terças e quintas-feiras, das 18h30 às 19h15, e em abril, todos os dias, nesse mesmo horário.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.