FMI alerta para riscos e recomenda manutenção de ajuste fiscal

O Fundo Monetário Internacional fez uma série de recomendações direcionadas aos países da América Latina

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/05/2017 11:46

O Fundo Monetário Internacional (FMI) alerta em relatório divulgado nesta sexta-feira, 19, que os riscos para o cenário econômico da América Latina pendem para o lado negativo. A dívida de alguns governos da região está superando a "zona de conforto" e o ajuste fiscal precisa continuar.
 
 
Entre os riscos que podem afetar a América Latina, o relatório alerta para o aumento das dúvidas sobre os rumos das políticas econômicas mundiais, para o crescimento do nacionalismo em economias desenvolvidas e o futuro da economia da China. Outro risco é um potencial aperto nas condições financeiras globais.

O FMI faz recomendações de política econômica para os governos da região: manter a flexibilidade das moedas, seguir com o ajuste fiscal e baixar juros onde a inflação está em queda. Outra sugestão é o estímulo ao comércio regional. 

Expectativas

O diretor para o departamento do Hemisfério Ocidental do FMI, Alejandro Werner, afirmou em entrevista a jornalistas nesta sexta que espera que a América Latina saia da recessão este ano e o Produto Interno Bruto (PIB) da região cresça 1,1% em 2017 e 2% em 2018. 

O relatório apresentado nesta sexta em evento na Fundação Getulio Vargas (FGV) em São Paulo foi feito antes do novo escândalo político do Brasil, com as denúncias de que o presidente Michel Temer teria comprado o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. 

No documento, a previsão é que o Brasil cresça 0,2% este ano e 1,7% em 2018. "A América Latina está lentamente saindo de uma recessão", afirma o FMI no documento. 


Venezuela

Em relação à Venezuela, Alejandro Werner notou que a contração econômica no país é "significativa", em uma situação "muito delicada". O FMI estima que a economia venezuelana tenha registrado contração de 8% no ano passado, de 6% no anterior e de 4% em 2014. Para o ano atual, a previsão do Fundo é de retração de 7,4%.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.