Número de endividados no DF cai mais que no restante do país

Segundo o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas do DF, os brasilienses priorizam as dívidas quando recebem dinheiro extra

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/06/2017 19:29 / atualizado em 12/06/2017 21:23

Fernando Lopes/CB/D.A Press
 O número de endividados no Distrito Federal vem caindo mais rápido que a média nacional, segundo dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). A inadimplência registrou recuo de 4,27% em maio em comparação com o mesmo mês de 2016. O restante do país teve uma queda de 4,84% no número de pessoas com contas atrasadas. Os dados foram divulgados pela Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal (CDL/DF).
 

Segundo José Carlos Magalhães Pinto, presidente da CDL/DF, os resultados está relacionado a uma melhor educação financeira dos brasilienses e o pagamento em dia do governo do DF aos servidores, tanto do salário, quanto do 13º. Além disso, a liberação do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) aliviou o orçamento de muitas famílias.
 
"A entrada do FGTS foi importante para a quitação da dívida no DF. É um ponto para comemorar, porque o número de endividados caiu significativamente", declara o presidente da entidade. Segundo ele, os brasilienses priorizam as dívidas quando recebem dinheiro extra. A inadimplência na capital também retraiu no acumulado de maio do ano passado ao mesmo mês de 2017. A média nacional no mesmo período é de leve diminuição de 0,5%. 
 
Apesar disso, o número de devedores aumentou 2% em relação a abril. Os mais velhos foram os que mais se complicaram financeiramente na passagem dos meses. A faixa etária de 85 a 94 anos teve uma alta de 8,96% de inadimplência. José Pinto atribuiu a alta aos pagamentos que os avós fazem para "socorrer" os filhos e netos do desemprego e das dívidas.
 
"Os avós se comprometem com algumas contas dos filhos e, num determinado momento, não têm condições de arcar com os custos. Uma hora a inadimplência cresce. E isso só acaba no momento em que retomar a criação de empregos", destaca o especialista.
 
O grande responsável pelo aumento de dívidas foi o setor de água e luz, que teve alta mais expressiva (28,68%). "Isso mostra que qualquer aumento desses serviços gera novos endividamentos. A população não consegue mais pagar. O caixa está contado para fechar no limite. Qualquer despesa extra é difícil de entrar", diz. 
 
* Estagiário sob supervisão de Anderson Costolli 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Vaneide
Vaneide - 12 de Junho às 22:07
Muitos estão passando fome.
 
Vaneide
Vaneide - 12 de Junho às 22:06
Tudo subiu, menos os salários dos trabalhadores. A crise tá feia.