Programa RenovaBio permitirá expansão da produção de biocombustíveis

Atualmente, são produzidos 28 bilhões de litros por ano, mas potencial é atingir 50 bilhões até 2030 com inserção na matriz energética brasileira. MP do programa deve sair em julho

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/06/2017 18:16

A produção de biocombustíveis no Brasil pode saltar para 50 bilhões de litros por ano, quase o dobro dos atuais 28 bilhões de litros produzidos atualmente. A ampliação de capacidade e os investimentos em novas unidades industriais e tecnologia dependem apenas da publicação de uma medida provisória para regulamentar o RenovaBio, programa do governo federal para expansão dos biocombustíveis até 2030, cujas diretrizes estratégicas foram aprovadas pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) na semana passada.


Ontem, o ministro das Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, reuniu-se com o Comitê de Agroenergia da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) e garantiu que a MP deve sair em julho. O MME instituiu um grupo de trabalho para avaliar, em até 60 dias, propostas de revisões normativas necessárias para implementação do programa.

 

Conforme o presidente do Comitê de Agroenergia da Abag, Jacyr Costa Filho, diretor da Região Brasil do Grupo Tereos, o RenovaBio vai introduzir os biocombustíveis na matriz energética do país e assegurar que o Brasil cumpra o compromisso assumido em acordos internacionais. O país foi uma das primeiras nações a confirmar a participação no Acordo de Paris, em vigor desde novembro do ano passado, e se comprometeu a cortar as emissões de gases de efeito estufa em 37% até 2025.

 

Entre as políticas para alcançar essas metas, o Brasil terá que aumentar a participação de fontes renováveis na matriz energética e recuperar e reflorestar áreas desmatadas. O país ainda se comprometeu a zerar o desmatamento da Amazônia Legal e a restaurar 12 milhões de hectares de florestas até 2030.

 

A exigência só poderá ser cumprida, em parte, com a inserção dos biocombustíveis na matriz energética brasileira. “O ministro nos assegurou que a MP já está sendo trabalhada e deverá ser editada em julho. Assim que for regulamentada, o setor tem condições de investir para ampliar a área de plantio e a produção”, afirmou Costa Filho.

 

O Comitê de Agroenergia é uma das câmaras temáticas da Abag, composta pelas entidades e empresários dos segmentos de produção de etanol, etanol 2G, biodiesel e bioeletricidade de todo o Brasil e associações de fornecedores de cana e da indústria de base.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.