Google deve recorrer da decisão da UE após multa de 2,4 bilhões de euros

A multinacional americana defendeu hoje que quando os consumidores compram online, querem encontrar os produtos que buscam "rápida e facilmente" e os anunciantes querem por sua vez "promover os mesmos produto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/06/2017 12:16

A Google anunciou nesta terça-feira (27/6) que "considera apelar" da decisão da Comissão Europeia (CE), que hoje impôs uma multa à empresa de 2,42 bilhões de euros, a maior até esta data contra uma companhia, por abusar da sua posição de domínio como motor de buscas na internet. A informação é da Agência EFE.

"Revisaremos a decisão da Comissão em detalhes enquanto consideramos uma apelação, e esperamos continuar defendendo o nosso caso", disse em um breve comunicado o vice-presidente e assessor legal geral da Google, Kent Walker.

Walker acrescentou que a empresa está "respeitosamente em desacordo com as conclusões anunciadas hoje" pelo Executivo comunitário.

A CE decidiu multar a Google por considerar que a empresa abusou da sua posição de domínio como motor de buscas na internet, "negando a outras empresas a oportunidade de competir sobre a base de seus méritos e inovação" e, "aos consumidores europeus, uma verdadeira escolha de serviços", explicou o Executivo.

A multinacional americana defendeu hoje que quando os consumidores compram online, querem encontrar os produtos que buscam "rápida e facilmente" e os anunciantes querem por sua vez "promover os mesmos produtos." "Por isso a Google mostra anúncios de compras, conectando os nossos usuários com milhares de anunciantes, grandes e pequenos, de forma que seja útil para ambos", disse o vice-presidente.

A CE exige agora que a companhia ponha fim à sua conduta em um período de 90 dias, ou caso contrário, a empresa americana enfrentará multas de até 5% do volume médio de negócios diários alcançado pela Alphabet, conglomerado que controla a Google.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.