Temer cita avanço da reforma trabalhista e diz que país não vai parar

Em vídeo divulgado nas redes sociais, Temer afirmou que o crescimento do país, após mais de dois anos de recessão, é reflexo das medidas do seu governo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/06/2017 19:21 / atualizado em 30/06/2017 19:31

Reprodução/ Facebook

 
Em vídeo publicado hoje (30/6) nas redes sociais, o presidente Michel Temer fez um balanço positivo da semana em afirmou que “o país não vai parar” e “continuará avançando”. Na gravação, Temer destacou como importantes três medidas anunciadas nos últimos dias, entre elas o avanço da reforma trabalhista no Senado e a redução da meta da inflação de 4,5% para 4,25% em 2019, divulgada ontem (29/6) pelo Conselho Monetário Nacional.
 
 
Temer ressaltou que “a inflação vai continuar caindo” no país, seguindo a tendência registrada desde o início do ano passado, quando era de mais de 10%. Ainda no cenário econômico, o presidente lembrou o crescimento registrado no primeiro trimestre deste ano, “após mais de dois anos de recessão”. Para Temer, o resultado ”é um reflexo das medidas que vem sendo tomadas”.
 
 

Denúncia


No início da semana, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou denúncia contra Temer ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo crime de corrupção passiva. No vídeo, Temer não mencionou o fato, mas enfatizou que "o Brasil está caminhando, apesar de alguns pretenderem parar nosso país".

Temer é acusado pelo procurador de ter recebido, por intermédio do seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures, “vantagem indevida” de R$ 500 mil. O valor teria sido ofertado pelo empresário Joesley Batista, dono do grupo JBS, investigado pela Operação Lava Jato.

Um dia após ser notificado da denúncia pela Câmara dos Deputados, onde o processo deverá ser analisado nas próximas semanas, o presidente manteve agenda interna no Palácio do Planalto. A expectativa é que o presidente apresente sua defesa na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara na próxima semana.

Reforma trabalhista

O presidente comentou também a aprovação da reforma trabalhista na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Temer argumentou que a medida abrirá novas vagas de emprego e “permitirá trazer para a formalidade milhões de brasileiros que trabalham sem carteira assinada”.

Outra medida celebrada pelo presidente foi a aprovação da medida provisória que define regras para a regularização fundiária urbana e rural na Câmara dos Deputados. Temer explicou que assinou a medida “para permitir a milhões de brasileiros terem a posse oficial, ou de sua propriedade rural ou de sua casa”.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
André
André - 30 de Junho às 23:06
Como o empregado vai negociar com o patrão com um desemprego desse? Ou é do jeito do patrão ou ele manda embora e contrata outro. o empregado sempre levará a pior... É assim que Temer que ver o pobre: submisso. (sobre reforma trabalhista).
 
André
André - 30 de Junho às 22:15
As reformas da previdência e trabalhista agradará meia dúzia de investidores e a economia vai dar uma leve melhorada momentânea e futuramente voltará a piorar por um motivo ou por outro, já trabalhadores, amargará eternamente as cláusulas malignas dessas reformas que está rasgando os direitos trabalhistas e o direito do trabalhador à aposentadoria.