Concessionárias têm dificuldades para manter aeroportos do país

Inframerica, que administra o terminal de Brasília, está com outorga atrasada e levou o caso à Justiça. Viracopos cogita devolver concessão

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/07/2017 06:00 / atualizado em 27/07/2017 08:28

Hoje, o governo assina a concessão de quatro aeroportos — Porto Alegre (RS), Fortaleza (CE), Florianópolis (SC) e Salvador (BA) — leiloados em março. Porém, enquanto celebra a privatização desses quatro terminais, outros seis já concedidos à iniciativa privada, mal conseguem honrar os pagamentos das outorgas. O Aeroporto de Viracopos, em Campinas, cogita devolver a concessão.

 

Leia mais notícias em Economia 


O presidente do Conselho de Administração da  Aeroportos Brasil Viracopos, Carlo Alberto Bottarelli, convocou para amanhã uma reunião de acionistas a fim de decidir sobre a relicitação do contrato com base na Lei nº 13.448, que permite a devolução amigável ou a recuperação judicial. 

Conforme a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o seguro-garantia do pagamento da outorga de 2016, de R$ 173,8 milhões, foi executado e precisa ser quitado até 1º de agosto. Procurada, a concessionária afirmou que a “definição cabe aos acionistas, por isso não vai comentar”. 

Os terminais de São Gonçalo de Amarante (RN) e de Brasília (DF), ambos administrados pela Inframerica, estão com pagamento pendente das outorgas de 2016, de R$ 10,5 milhões e R$ 245,7 milhões, respectivamente. Segundo a Anac, a “exigibilidade está suspensa por decisão judicial”, exatamente como Confins (MG), com outorga suspensa de R$ 74,4 milhões. 

A Inframerica explicou que está ciente das obrigações e vem se esforçando para manter-se adimplente. “A concessionária investiu mais de R$ 1,6 bilhão no Aeroporto de Brasília e entende que realizou gastos não previstos. Em 2015, iniciou processo para ressarcimento desses valores”, informou. A concessionária solicitou à Justiça que a cobrança de R$ 253 milhões, referente à concessão, fosse suspensa até que a Anac aprecie o seu pleito. “O tema está sub judice.”A empresa, no entanto, não cogita devolver a concessão.

O especialista em infraestrutura do escritório L.O. Batista Advogados Marlon Ieiri explicou que as modelagens dos editais dos aeroportos concedidos e dos leiloados, cuja assinatura ocorre hoje, são diferentes. “A primeira experiência teve um ágio muito grande, com expectativa de crescimento no movimento. Mas houve queda na demanda.” 

Para o presidente da Associação Nacional dos Empregados da Infraero (Anei), Alex Fabiano, houve superfaturamento no primeiro edital, dos seis terminais privatizados. Segundo ele, Guarulhos foi avaliado em R$ 16 bilhões, Galeão, em R$ 19 bilhões, e Brasília, em R$ 4,5 bilhões. “A Infraero injetou R$ 1,6 bilhão no Galeão e hoje ele vale R$ 199 milhões. A empresa chinesa que comprou a fatia da Odebrecht, de 22%, entrou com R$ 60 milhões”, alertou.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Wilson
Wilson - 27 de Julho às 10:56
Nas BRs mesmo não fazendo as obras previstas aumentaram o pedágio acima da inflação - caso BR153 e BR 040 - ou seja quando é o povão que tem que pagar ai tudo bem, aumenta-se a tarifa mas quando é a classe mais abastada aí só pode repassar a inflação.