Cade veta compra da rede de combustíveis Ale pela Ipiranga

Para sanar os problemas apontados, o relator chegou propor a venda dos ativos da Ale em 12 estados onde, na avaliação dele, o ingresso da Ipiranga poderia causar prejuízos à livre concorrência

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/08/2017 19:08

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) vetou por unanimidade a compra da distribuidora de combustíveis Ale pela concorrente Ipiranga. Em sessão realizada hoje (2/8), o tribunal do Cade avaliou que a operação afetaria mercados de distribuição regionais.

 

O relator do caso, conselheiro João Paulo de Resende, destacou que a distribuidora regional é a que tem mais capacidade de concorrer com as que operam em nível nacional: Ipiranga, Petrobras e Raizen. Para o Cade, a compra da Ale pela Ipiranga prejudicaria a venda de combustíveis aos postos de bandeira branca (aqueles que não exibem de forma ostensiva a marca do combustível).

 

“A operação elimina, em grande parte dos mercados analisados, a principal distribuidora capaz de abastecer postos interessados em permanecer como bandeira branca ou em ter uma alternativa negocial de embandeiramento às três grandes distribuidoras de nível nacional”, afirmou o relator.

 

Para sanar os problemas apontados, o relator chegou propor a venda dos ativos da Ale em 12 estados onde, na avaliação dele, o ingresso da Ipiranga poderia causar prejuízos à livre concorrência. A solução, no entanto, foi rejeitada pelas empresas.

 

Leia mais notícias em Economia

 

As empresas também apresentaram propostas para sanar os problemas, que, por sua vez, foram rejeitadas pela maioria do tribunal por não solucionarem suficientemente as preocupações identificadas.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.