Em dia de agenda fraca, Bovespa alterna altas e baixas nesta segunda

Mesmo nas pontuações mínima e máxima, o Ibovespa segue muito próximo do fechamento de sexta-feira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/09/2017 11:16

A Bovespa abriu em queda nesta segunda-feira (25/9) e, minutos depois, passou a alternar altas e baixas. Nos dois sentidos, o movimento é bastante tímido. Mesmo nas pontuações mínima e máxima, o Ibovespa segue muito próximo do fechamento de sexta-feira. 

Comportamento semelhante é visto nos mercados de câmbio e de renda fixa. Nos juros futuros, as taxas dos contratos curtos e intermediários estão nos ajustes da sexta-feira e com viés de alta nos vencimentos mais longos. No câmbio, o dólar segue com sinal positivo no mercado à vista, mas com variação praticamente nula e um ajuste ao comportamento da moeda americana no exterior

A agenda doméstica traz poucos vetores, sendo que os investidores aguardam para esta tarde a leitura da segunda denúncia criminal contra o presidente Michel Temer na Câmara dos Deputados. 

Outro tema que repercute entre os investidores é o comentário do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de que "não há clima" para votar a reforma da Previdência. Apesar desse contexto desfavorável, um operador do mercado de ações não vê motivos para o "bull market" (tendência de alta) chegar ao fim. "O mercado olha quem está na equipe econômica e a direção de sua política e continua satisfeito", disse o profissional. 

Às 10h38, o Ibovespa renovara a pontuação mínima aos 75.108 pontos (-0,37%). A alta das ações da Petrobras, alinhada à valorização do petróleo, limitava as perdas. A mínima na Bolsa brasileira coincide com a abertura em queda dos índices acionários em Nova York. Os futuros do Dow Jones, Nasdaq e S&P500 já estavam em queda mais cedo, mas os indicadores no mercado à vista abriram com variações negativas maiores.

Pouco antes do fechamento deste texto, o Tesouro Nacional divulgou que o estoque da dívida pública federal (DPF) subiu 1,87% em agosto, quando atingiu R$ 3,404 trilhões. Em julho, o estoque estava em R$ 3,341 trilhões. A variação é resultado de uma emissão líquida de R$ 33 bilhões no mês, mais a cor
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.