Cooperativas são responsáveis por 48% da produção de café do país

Responsáveis por 48% da produção cafeeira do país, trabalhadores reunidos em associações mostram que é possível gerar emprego e renda nos mesmos moldes de grandes empresas multinacionais. Hoje, há 287 mil produtores em 1.900 cidades

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/10/2017 08:00 / atualizado em 16/10/2017 14:10


Cooxupé/Divulgação
Quando se fala em sucesso no mercado de bens e produtos, logo vem à mente grandes empresas e corporações. No entanto, as cooperativas ganham cada vez mais espaço e conquistam fatia considerável na economia, gerando emprego e renda. Prova disso é a Cooperativa Regional de Cafeicultores de Guaxupé (Cooxupé), no município de Guaxupé, em Minas Gerais, que tem 14 mil associados. Esse número é semelhante ao quadro de funcionários de multinacionais, por exemplo.


O fato do Brasil ser o maior exportador de café do mundo foi uma importante contribuição para o crescimento da Cooxupé. No ano passado, o país produziu 51,369 milhões de sacas de 60 kg. O volume corresponde a 33,4% da safra mundial, projetada pela Organização Internacional do Café (OIC) em 153,869 milhões de unidades.

O café foi o quinto item da pauta de exportação do agronegócio brasileiro em 2016, gerando receita de US$ 5,472 bilhões. Em termos de mercado interno, o Brasil consumiu, no ano passado, 20,5 milhões de sacas de 60kg, ficando atrás somente dos Estados Unidos, cujo consumo foi de 24 milhões de sacas, aproximadamente, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC).

O volume de café consumido no Brasil respondeu por 13,5% do consumo mundial. As cooperativas desempenham um papel importante nesse resultado. Elas foram responsáveis por 48% da produção cafeeira do país. São 97 cooperativas de café no país. O diferencial dessas associações é que, além de gerar emprego e renda, elas promovem o desenvolvimento econômico e o bem-estar social aos cooperados.

Com o encerramento do período de colheita de café da safra 2016/2017 pelos cooperados da Cooxupé, a cooperativa contabiliza a colheita de 6,680 milhões de sacas, produzidos em mais de 200 municípios de sua área de ação, no Sul de Minas, Cerrado mineiro e na média mogiana, no estado de São Paulo. A Cooxupé foi responsável também pelo envio de 4 milhões de sacas, para 49 países no ano passado. “Sempre trabalhamos em ações de modo que eles ganhem mais qualidade na produção, eficiência na produtividade e redução de custos, um dos principais desafios da cafeicultura”, disse o presidente da Cooxupé, Carlos Alberto Paulino da Costa.

Estrutura


Atualmente, o Brasil possui 287 mil produtores de café, em cerca de 1.900 municípios, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A maior parte dos produtores integra uma associação ou cooperativa de café. Isso significa que, qualquer que seja o tamanho da estrutura da cooperativa, os associados podem se beneficiar de alguns dos princípios do cooperativismo, como a participação econômica dos membros, autonomia e independência, educação, formação e informação e gestão democrática, entre outros.

Para o diretor-executivo da Associação Brasileira da Indústria de Café, Nathan Herszkowicz, as cooperativas desempenham um papel muito importante na cadeia produtiva do café, sendo agentes de apoio, conhecimento, disseminação de boas práticas de produção e de desenvolvimento tecnológico. “O agronegócio do café não estaria completo se não tivesse a figura das cooperativas. Elas orientam o produtor nas questões comerciais e são um polo de desenvolvimento tecnológico para a colheita, a manutenção do parque cafeeiro e a aplicação e manutenção de insumos contra ação de pragas, por exemplo”, afirmou Nathan Herszkowicz.

As cooperativas agropecuárias atuam fortemente na organização produtiva e econômica do produtor cooperado, na cadeia de suprimentos, no elo originado, como vetores de assistência técnica e transferência de tecnologias modernas ao processo de produção, e no segmento armazenagem, e agregam valor à produção de seus associados viabilizando a industrialização e atuando fortemente no mercado varejista, segundo o engenheiro agrônomo Paulo César Dias do Nascimento Júnior, coordenador do ramo agropecuário da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB). “Elas atuam também nas operações de compra e venda no mercado físico e no mercado futuro junto às bolsas de valores no Brasil e no mundo, viabilizando acesso aos mercados mais organizados e a segurança da comercialização do produtor rural cooperado.”

Por meio do sistema cooperativista, os cafeicultores recebem orientação técnico agrícola, ambiental, econômica e mercadológicas e se qualificam nessas áreas, tornando-se empresários rurais e ampliando a preservação ambiental e o número de empregos na atividade. “As cooperativas permitem que o produtor se profissionalize, torne-se um empresário rural, um profissional moderno e que, junto ao sistema cooperativo, produza um café de excelência, privando por correção ambiental no cultivo e se preocupando em gerar milhões de postos de trabalho anualmente no Brasil”, resumiu o presidente-executivo do Conselho Nacional do Café (CNC), deputado Silas Brasileiro.

Sistema cooperativo


O Brasil tem 97 cooperativas de café registradas no sistema das Organizações das Cooperativas Brasileiras (OCB). Elas estão localizadas nos estados da Bahia, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rondônia e São Paulo. O cultivo dos cafezais ocorre em quase 200 mil estabelecimentos da agricultura familiar, distribuídos em 1.468 municípios diferentes de todo o País, de acordo com o Censo Agropecuário, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BGE), em 2006. A maioria dos produtores de café faz parte de associações e cooperativas.

As cooperativas acompanham as demandas do café brasileiro, tanto no mercado interno quanto nas exportações. De acordo com o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), no ano passado, o café foi o quinto item da pauta de exportação do agro brasileiro, com as exportações gerando receita de US$ 5,472 bilhões e representando cerca de 7% do total. Os quatro primeiros lugares foram ocupados pelo complexo soja, carnes, complexo sucroalcooleiro e produtos florestais. Para este ano, o Cecafé projeta que as remessas deverão manter desempenho semelhante a 2016, situando-se entre 34 milhões e 35 milhões de sacas.

Para o presidente do Conselho Nacional do Café (CNC), deputado Silas Brasileiro, o sistema cooperativo e seus profissionais servem de estrutura para potencializar diversos cases de sucesso de produtores que alcançam melhor remuneração e se tornam fornecedores fiéis aos grandes compradores brasileiros e mundiais de cafés sustentáveis e com qualidade excepcional. “Isso é possível porque esses cafeicultores recebem orientação técnico-agrícola, ambiental, econômica e mercadológica das cooperativas e se qualificam nessas áreas, tornando-se empresários rurais e ampliando a preservação ambiental e o número de empregos na atividade”, explicou Silas Brasileiro.

O Conselho Nacional do Café (CNC) é composto pelas cooperativas de produtores de café do Brasil, servindo de estrutura para centralizar as demandas dessas instituições e defendê-las nas demais instâncias necessárias, como o Congresso Nacional, os Ministérios do Governo Federal, as entidades parceiras e os organismos internacionais. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.