Parente: plano estratégico trará novas iniciativas em energias alternativas

O executivo também ressaltou que todos os investimentos estão dentro dos limites aprovados no plano financeiro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/10/2017 16:20

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, afirmou que a empresa em breve anunciará a revisão do plano estratégico e este trará novas iniciativas na área de energias alternativas. A esse respeito, o executivo citou o uso de gás na produção. "O gás polui menos que os demais derivados do petróleo", disse, em entrevista à GloboNews, minutos atrás.

Quanto ao leilão de áreas do pré-sal da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, ocorrido nesta sexta-feira (27/10), o executivo relatou que está satisfeito com a participação da empresa. "Não poderíamos nos dar ao luxo de não continuar procurando novas áreas", relatou. "Temos que priorizar o que garante o nosso futuro."

No que se refere ao campo de Peroba, o executivo disse que possui grande potencial de existência de óleo. "Foi um dos maiores ágios oferecidos. Nós quisemos participar da oferta neste campo com excelentes parceiros. Novas áreas vão ajudar a empresa a voltar aos trilhos. A Petrobras é uma empresa que está para ficar e ter uma sustentabilidade e sobrevivência pelo resto dos tempos", afirmou.

"Uma empresa petrolífera precisa constantemente encontrar novos reservatórios, porque, à medida que produz, os reservatórios se reduzem." Ainda a esse respeito, ele lembrou que um campo na área do pré-sal em geral se desenvolve em uma faixa de prazo de sete anos. "O prazo de desenvolvimento é de sete a dez anos, com exploração por 30 anos... O investimento está dentro da visão do que precisamos para dar um retorno adequado aos acionistas."

O executivo também ressaltou que todos os investimentos estão dentro dos limites aprovados no plano financeiro.

A ANP vendeu em sistema de partilha a área de Peroba, na Bacia de Santos, para o consórcio operado pela Petrobras (40%) em parceria com a chinesa CNODC (20%) e BP (40%). O óleo excedente oferecido foi de 76,96%, frente ao mínimo de 13,89% definido pelo governo. O bônus de assinatura da área foi previamente determinado em R$ 2 bilhões.

A Petrobras levou ainda a área de Sapinhoá, na Bacia de Santos, em consórcio com Repsol Sinopec (25%) e Shell (30%). O óleo excedente oferecido foi de 80%, frente ao mínimo de 10,34% definido pelo governo. O bônus de assinatura da área foi previamente determinado em R$ 200 milhões.

A petroleira ficou também com a área de Alto de Cabo Frio Central, na Bacia de Campos. O consórcio é formado pela Petrobras (50%), em parceria com a BP (50%). O óleo excedente oferecido foi de 75,86%, frente ao mínimo de 21,38% definido pelo governo. O bônus de assinatura da área foi previamente determinado em R$ 500 milhões.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.